Especial Dia dos Pais: licença-paternidade

Neste domingo (11), comemora-se o Dia dos Pais no Brasil e nós aproveitamos essa data tão significativa para fazer um post especial para aqueles que estão prestes a entrar nesse mundo cheio de desafios, alegrias e muitas descobertas. Geralmente, os marinheiros de primeira viagem colecionam muitas dúvidas em relação à licença-paternidade, seus direitos e deveres. Por isso, a Proativa Consultoria Contábil e Empresarial separou tudo que quem está nessa fase precisa saber para curtir os primeiros dias dessa nova experiência com tranquilidade.

Um ponto muito importante é frisar que a licença-paternidade é um direito para pais biológicos e adotivos, funcionando da mesma maneira para ambas as situações. Agora, sobre o período que o funcionário CLT pode retirar para curtir a criança, recentemente o Brasil registrou uma mudança nas possibilidades.

Desde 1988, a Constituição Federal prevê o direito dos pais terem a licença de cinco dias. Mas, em 2008, o Governo lançou um programa chamado “Empresa Cidadã” que busca valorizar as relações entre empresas e funcionários, proporcionando alternativas mais humanizadas. 

O Empresa Cidadã não é obrigatório, mas as organizações que aderirem, garantem benefícios para os funcionários e também incentivos fiscais. Então, com essa saída, os pais podem acrescentar mais 15 dias, totalizando 20 dias de pausa remunerada. 

Durante a licença, o funcionário tem o direito de receber seu salário integral. Já na lista de deveres, os papais não podem realizar qualquer outra atividade remunerada, nem deixar o filho em alguma creche. A ideia do programa é proporcionar que os pais vivam essa experiência sem preocupações.  

E para as empresas, como funciona?

É muito simples! As pessoas jurídicas poderão aderir ao Programa Empresa Cidadã por meio do Atendimento Virtual (e-CAC). Basta acessar o link utilizando o código de acesso ou certificado  digital. 

As empresas tributadas com base no lucro real, poderão deduzir do Imposto sobre a Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) devido, em cada período de apuração, o total pago ao funcionário durante o período de prorrogação da licença. É importante saber que não é permitida essa dedução como despesa operacional.

Além disso, a dedução também se aplica ao IRPJ determinado com base no lucro estimado, recebendo algumas regras específicas, que você pode conferir aqui.

Tanto a licença maternidade quanto a paternidade são fatores determinantes no desenvolvimento da criança e da rotina da família. Principalmente nos primeiros dias, a mãe precisa de todo apoio possível e a presença paterna pode fazer parte disso.

Que tal fazer parte deste programa que só traz benefícios para todos? Além disso, sua empresa pode ser inspiração para outras organizações. Conte com a Proativa para tirar todas as suas dúvidas e realizar o melhor planejamento tributário para o seu negócio!

Um dos maiores desafios dos atuais empreendedores, fazer uma eficaz gestão financeira

Quando um empresário começa um novo negócio, é muito comum que ele foque muito mais no desenvolvimento de seus produtos e serviços e na sua estratégia de vendas, dando pouca ou nenhuma atenção a sua gestão financeira, que é algo que faz toda a diferença no desenvolvimento do negócio.

É muito comum que a gestão financeira da empresa, principalmente aquelas que são de menor porte, se limitem apenas a contratar um contador, que fique responsável por cuidar, principalmente, do recolhimento dos tributos.

Só que as finanças do seu empreendimento, não se baseiam apenas nisso, e sem que você tenha em mãos outras informações que são essenciais, fica praticamente impossível que consiga fazer um planejamento eficaz para o sucesso da sua organização.

Fazer uma gestão financeira eficaz do seu negócio é muito importante para o desenvolvimento e crescimento da empresa.

Por isso hoje nós vamos falar sobre um dos maiores desafios dos atuais empreendedores, em fazer uma gestão financeira eficaz!

A importância das informações financeiras atualizadas

Não existe mistério algum, ter informações e dados é algo extremamente importante quando se trata da administração do dinheiro de uma empresa.

Uma gestão financeira eficaz prevê uma melhor margem de lucratividade, fazendo com que os gastos fiquem equilibrados e ainda avaliando o saldo atual, não só de contas a pagar, como também a receber.

É mais ou menos assim, se você conseguir ter um controle financeiro de qualidade, terá a capacidade de ver como está o seu capital no passado e o que está acontecendo agora com ele, no presente. Dessa maneira, fica mais fácil identificar falhas e possíveis despesas desnecessárias. Sem contar que assim, é possível fazer um remanejamento de aplicações buscando alternativas mais lucrativas.

Possibilidades

Quando você tiver em suas mãos informações financeiras que sejam relevantes, torna-se possível descobrir, por exemplo, o que é que pode estar prejudicando os seus investimentos, como um dinheiro que sai do capital de giro para realizar compra de materiais que acabaram ficando parados no estoque, fazendo com que esse investimento seja apenas mais um gasto.

Tendo um controle financeiro de qualidade, você ainda consegue avaliar o desempenho de vendas que uma determinada área tem, podendo oferecer, depois de um tempo, um aumento a esses colaboradores.

Como é possível perceber, a gestão financeira feita de maneira eficaz te guiará por meio de fatores que são indispensáveis para o seu planejamento, como:

  • Empréstimos;
  • Fluxo de caixa;
  • Investimentos,
  • Implantação de metas.

Tenha um controle de todo o dinheiro que entra e sai da empresa

Um problema muito frequente quando se trata de gestão financeira, é que, com o passar do tempo, o empreendedor acaba perdendo um pouco da sua percepção de como está de fato a situação das suas finanças, pensando que ela é uma quando, na realidade, é outra, especialmente nesses momentos de crise pelo qual estamos passando.

Fazer um controle de entrada, classificando de forma adequada as saídas de dinheiro e o quanto a empresa está faturando é uma coisa que faz toda a diferença.

Atenção à organização e gestão orçamentária

A organização tem que apresentar um orçamento anual. Nesse plano, devem ser inclusos os objetivos financeiros, planos de metas e também a remuneração baseada nessas metas, assim como deve ser feito um estudo das possíveis melhoras de ação no mercado e estratégia de preço.

Uma boa dica é você escolher algum sistema de gestão financeira. Isso permite mapear a origem, o destino e até a movimentação de absolutamente todo o seu capital empresarial.

Outra coisa muito importante: você tem que ficar o mais longe possível de planilhas físicas, porque elas nem sempre conseguem transmitir uma visão transparente do seu orçamento, além de conter alguns erros quando preparadas ou programadas de maneira errada.

Por todas as razões citadas nesse artigo, é muito importante que você tenha uma gestão financeira eficaz.

Ficou com alguma dúvida?

Entre em contato conosco!

POR QUE A GESTÃO FINANCEIRA É TÃO IMPORTANTE PARA OS NEGÓCIOS?

A Gestão Financeira de uma empresa abrange mais do que manter um conjunto preciso de livros e balanceamento da conta corrente de seu negócio. Você deve gerenciar suas finanças para que você não gaste desnecessariamente e assim continue preparado para todas as despesas fixas e variáveis de seu empreendimento, bem como para distribuir os lucros entre os sócios.

Suas responsabilidades de gerenciamento financeiro afetam todos os aspectos do seu negócio. Uma empresa que vende bem, mas tem má gestão financeira pode falhar. Isto é um fato mais comum do que a maioria dos empreendedores imaginam.

Por isso neste artigo vamos falar sobre a importância da gestão financeira para os negócios.

Investimentos

Você pode comprar ativos para gerar renda. Porém, todas as suas avaliações financeiras sobre os custos deste ativo para o seu fluxo de caixa devem equilibrar a quantidade de renda que tal ativo vai produzir em relação ao montante que o mesmo vai custar. Se você gerenciar seu fluxo de despesas de capital de forma eficaz, você não irá sobrecarregar sua empresa, emprestando muito para os ativos que não fornecem renda suficiente para justificar a despesa.

Fluxo de Caixa Operacional

Você deve gerenciar seu fluxo de caixa para que sua empresa sempre tenha o suficiente em mãos para pagar despesas fixas, tais como, aluguel, utilitários, telefone, luz e água, folha de pagamento e suprimentos. Isso significa que você deve olhar para os meses futuros e observar quando você receberá suas faturas de vendas e comparar isso com as datas de vencimento de suas contas a pagar.

Você pode gerenciar seu fluxo de caixa encurtando a quantidade de tempo que você dá aos clientes para lhe pagar e renegociando as datas de vencimento com os fornecedores. Se você deixar de gerenciar o fluxo de caixa de forma eficaz, você pode não ser capaz de pagar as despesas e manter sua empresa operando.

Redução das Despesas

Uma das suas responsabilidades da gestão financeira de sua empresa é manter os custos o mais baixo possível. Você pode negociar preços mais baixos com seus fornecedores, reduzir o número de funcionários em sua empresa, reduzir o uso de energia e comprar materiais de escritório no atacado. Se você não monitorar e gerenciar todos os seus custos, sua empresa sempre terá que aumentar as vendas drasticamente para pagar as despesas crescentes.

Planejamento tributário

A legislação tributária no Brasil é muito complexa e afeta diretamente a gestão financeira de uma empresa, pois a mesma não pode deixar de cumprir com cada uma de suas obrigações fiscais. Isso implica, por exemplo, na formação dos preços dos produtos ou serviços oferecidos ao consumidor final.

Sendo assim, uma das funções principais da gestão financeira empresarial inclui o planejamento tributário para o devido cálculo das alíquotas e o pagamento dos impostos. Isso envolve certificar-se de que você terá dinheiro em caixa para pagar os impostos apurados a cada mês ou a cada trimestre.

A concorrência no mundo corporativo é selvagem, e a sustentabilidade financeira de uma empresa depende também da redução de seus custos fiscais para que a mesma se mantenha competitiva em seu mercado de atuação.

O Planejamento Tributário é mais que uma necessidade, é um fator de sobrevivência para uma empresa que planeja o crescimento e a longevidade corporativa. Por isso, é uma ferramenta indispensável para a gestão financeira empresarial.

E você, como é a gestão financeira de sua empresa? Você tem trabalhado estes 4 importantes aspectos de modo à ter sucesso total na gestão do negócio? Você sabia que o contador é um parceiro fundamental para que a gestão financeira de sua empresa seja bem sucedida?

Compartilhe sua experiência conosco. E se precisar de ajuda, é só entrar em contato.

Até a próxima!

As 8 melhores dicas de gestão financeira para sua clínica ou consultório

Tão importante quanto cuidar da vida de seus pacientes é cuidar da saúde financeira da sua clínica. Assim como pessoas possuem órgãos vitais, que precisam estar em perfeito funcionamento, a clínica precisa de cuidados especiais em diversos setores. Um deles é o financeiro, responsável por movimentar toda a estrutura da empresa.

A gestão financeira deve ser feita de forma metódica e exige quase tanto perfeccionismo quanto um cirurgião envolvido em um procedimento de alto risco para seu paciente. A diferença é que, se os devidos cuidados com a gestão financeira não forem levados a sério, quem corre graves riscos é a longevidade da sua clínica.

Naturalmente, médicos tendem a refletir sobre todas as questões relacionadas a sua atividade com foco na cura e no bem estar do paciente. Quem administra uma clínica, entretanto, não pode esquecer que para mantê-la em bom funcionamento, com os melhores equipamentos e as melhores condições de atendimento, ela precisa de um gerenciamento financeiro eficiente. Neste post, selecionamos 8 dicas de gestão financeira que facilitarão seu trabalho!

Vamos conhecê-las?

Faça o fluxo de caixa

Todas as empresas precisam fazer fluxo de caixa e no caso das clínicas não é diferente. O profissional responsável pela administração financeira precisa dedicar cuidados especiais aos gastos que a clínica possui, por exemplo, com estrutura e pessoal. É fundamental registrar todas as movimentações financeiras do negócio, mesmo as pequenas despesas do dia a dia, que geralmente são desconsideradas.

Aprender a organizar e controlar toda a movimentação financeira de uma empresa está mais fácil! É possível fazer do modo tradicional, utilizando uma planilha do Excel, ou aderir a um software de gestão financeira, como o Conta Azul, por exemplo, para cumprir essa demanda. Para saber mais sobre as vantagens das novas tecnologias, fique ligado na próxima dica!

Trabalhe com tecnologias

As tecnologias costumam atrair o interesse humano e trazer praticidade. Um software de gestão financeira pode proporcionar inúmeros benefícios, como facilidade no acesso a informações para os médicos e também para os pacientes. Pacientes podem, eles mesmos, agendar suas consultas, além de acessar prontuários e receitas médicas.

As tecnologias auxiliam também na organização financeira se você separar as contas a pagar e a receber por exemplo. Um software de gestão financeira traz agilidade aos mais diversos processos internos da clínica e, com isso, aumenta a produtividade da equipe.

Contrate ajuda especializada

Em alguns casos, uma assessoria pode facilitar a gestão da clínica. Esse tipo de ajuda evitará erros, como se esquecer de declarar alguma entrada de dinheiro para a Receita Federal — um contador qualificado não se esquecerá disso em hipótese alguma. Afinal, eles são especialistas na gestão de finanças e, enquanto você se dedicava às aulas de anatomia, eles simulavam manejamentos para administrar empresas.

A ajuda do contador dará mais tempo ao médico para executar suas próprias tarefas. Ainda assim, é importante reservar um tempo em algum dia do mês para analisar os resultados atingidos junto do contador. Ele estará focado nisso, mas você precisa estar relativamente perto e acompanhar os processos.

Separe contas a pagar e a receber

Outro bom método de gestão financeira fundamental é a separação das contas a pagar e a receber em diferentes planilhas de controle. Essa prática permitirá que você enxergue quais são os custos mais altos da clínica e se eles são supérfluos. Daí então, será possível diminuir essas despesas. Eventuais atrasos em pagamentos também poderão ser identificados com mais rapidez. O setor de cobranças terá mais tempo para agir e diminuir a inadimplência, evitando surpresas para a saúde financeira da clínica.

Mantenha um fundo de reserva

Empresas podem enfrentar momentos de crise por fatores internos, como a quebra de alguns equipamentos importantes, e externos, como uma crise econômica mundial. Por isso, um gestor financeiro realmente preocupado com seu trabalho precisa se lembrar de fazer reservas de dinheiro. Caso passe por algum momento financeiramente difícil, a clínica sofrerá menos impacto se possuir recursos financeiros reservados para esses momentos. Fundos de reserva também podem cobrir despesas como pagamento de férias e décimo terceiro salário, que não são frequentes, mas ocorrerão em algum momento.

Não misture as contas pessoais e da clínica

O caixa da empresa não é a sua carteira e nem a sua conta-corrente. Você não deve utilizar dinheiro da clínica quando precisar suprir uma despesa de casa. Essa prática atrapalha o controle financeiro da empresa e pode esconder a real situação em que ela se encontra. Esse dinheiro também poderia ser revertido em algum investimento importante, como a compra de um aparelho ou a contratação de um novo plantonista. Da mesma forma, você não deve utilizar suas finanças pessoais para atender a demandas da clínica, pois isso também vai atrapalhar o controle financeiro.

Planeje

Mais do que simplesmente planejar, planeje com consciência. Estabeleça metas financeiras palpáveis, que possam ser atingidas. Não adianta mirar na lua, não acertar nem as estrelas e frustrar a equipe. Um bom planejamento financeiro requer que o registro de gastos e as previsões de faturamento sejam metódicos. Observar esses números e visitar o planejamento com alguma frequência permitirá ao médico fazer uma boa avaliação do crescimento da clínica. Onde é necessário investir? Qual o melhor período para isso? As respostas dessas questões podem entrar no planejamento, que precisa ser considerado no curto, no médio e também no longo prazo.

Busque ampliar conhecimentos em planejamento financeiro

Assim como em qualquer outra atividade, o gestor financeiro também precisa de constante atualização. É claro que anos de experiência ensinarão os atalhos do mercado e seus tradicionais comportamentos, mas num mundo em constante transformação, quem não estuda é atropelado pela concorrência. Busque informações sobre novas ferramentas e conceitos de gestão financeira, participe de cursos sobre sua área de conhecimento. Alguns empreendedores têm resistência para reconhecer a importância de dominar os conhecimentos de gestão financeira. Os que conhecem as ferramentas básicas já saem na frente.

Já precisou se organizar e dedicar mais atenção à saúde financeira da sua clínica? Tem outras dicas e sugestões sobre o assunto? Deixe seu comentário e compartilhe suas experiências com a gente!

Fonte: Portal Telemedicina

Saiba como fazer o controle financeiro do seu consultório médico

Fazer o controle financeiro do seu consultório médico é muito mais do que simplesmente registrar o movimento de entrada e saída e buscar o equilíbrio da conta corrente.

O controle financeiro exige planejamento de gastos e investimentos, de projeções de curto, médio e longo prazo. E, além disso, também é preciso estabelecer metas e objetivos.

Como se pode ver, o controle financeiro é necessário para todos os aspectos do consultório médico, ou seja, um consultório que possui muitos clientes, mas que não tem um bom controle financeiro, pode se tornar menos lucrativo do que qualquer outro que tenha controle total das finanças, mesmo tendo menor número de clientes.

O grande problema é que nem sempre um empresário médico pode dispor de tempo necessário para fazer o controle financeiro do seu consultório médico, muito menos acompanhar e estabelecer metas da forma como deveria. Nesse caso, é importante buscar sempre o aprimoramento dos conhecimentos de administração, encontrando meios de manter o controle financeiro do seu consultório médico ao mesmo tempo em que pratica sua atividade principal.

Como conseguir manter o controle financeiro

Com relação ao controle financeiro do seu consultório médico, a melhor coisa a fazer é uma avaliação exata dos rendimentos, anotando todas as receitas e despesas em todos os dias do mês. É necessário manter as contas organizadas para não ter surpresas ao longo do caminho.

A maior parte dos profissionais médicos no Brasil é filiada a um ou mais planos de saúde e, como resultado, o controle do faturamento e a atenção às movimentações financeiras é de fundamental importância.

Com todas as suas responsabilidades do dia a dia, um médico que mantém um consultório deve buscar apoio para gerenciar o seu negócio. Existem diversos programas informatizados para facilitar o controle financeiro do seu consultório médico, simplificando os processos de lançamentos e facilitando a vida do profissional médico que, dessa forma, tem como fazer uma boa gestão financeira.

No entanto, o médico também deve ter a visão de empresário e precisa ir além do controle financeiro do seu consultório médico, procurando fazer as projeções necessárias para evoluir com seu empreendimento e conseguir aumentar o seu fluxo de clientes.

Neste artigo, vamos entender como fazer o controle financeiro do seu consultório médico com a análise do fluxo de caixa, uma ferramenta de suma importância para qualquer tipo de empreendimento.

Como manter o fluxo de caixa atualizado

O fluxo de caixa é a ferramenta para manter o controle efetivo de todas as contas e, sem ele, o consultório médico pode ser considerado um veículo sem o condutor.

Sem o registro de todas as entradas e saídas, o profissional médico não irá saber se seu consultório médico está sendo ou não rentável, sem saber se está dando lucro ou se está deixando de pagar alguma conta importante.

O fluxo de caixa é o registro de todas as movimentações financeiras, com as contas a pagar e a receber e as entradas e saídas de dinheiro durante o mês, geralmente o período adotado para fechar a contabilidade.

A partir do fluxo de caixa, que pode ser feito através de um sistema de gestão ou até mesmo de uma planilha eletrônica, como a que disponibilizamos para download no final deste artigo, permite ao médico a análise em separado de todas as contas, podendo identificar quais são os maiores custos do consultório, quantos e quais foram os procedimentos realizados e quais são os mais rentáveis, além de oferecer outros relatórios financeiros.

Com o fluxo de caixa também é possível fazer uma projeção de receitas e despesas futuras, dando ao profissional a capacidade de investigar dias em que o caixa poderá estar negativo, preparando-se para isso através de uma reserva financeira.

É claro que tudo só vai funcionar se houver a disciplina, com a atualização constante do sistema ou da planilha.

O fluxo de caixa é composto do livro caixa, que deve ser lançado todos os dias, com todos os movimentos, e das contas a pagar e receber, que serão lançadas em planilha à parte, onde se poderá ter ideia do movimento futuro da clínica, evitando qualquer tipo de surpresa financeira desagradável.

Para fazer o fluxo de caixa, acompanhe algumas recomendações importantes:

  • Tenha um período pré-determinado para o controle, como o mês corrente, por exemplo;
  • Estabeleça centros de custos para agrupar as despesas fixas, as variáveis e os orçamentos;
  • Se não puder fazer isso por seus próprios meios, determine uma pessoa específica para cuidar do fluxo de caixa;
  • Havendo possibilidade, tenha um sistema de gestão informatizado, ou uma planilha pré-montada para evitar erros e retrabalhos;
  • Mantenha o livro caixa atualizado todos os dias.

Como fazer o livro caixa

No caso de um consultório médico estar registrado na Receita Federal como optante pelo Simples Nacional, o livro caixa é uma obrigatoriedade exigida por lei. Nessa condição, é preciso cumprir algumas formalidades.

Mesmo que o consultório não esteja no Simples Nacional, é uma ferramenta necessária para gestão financeira, controlando todas as entradas e saídas de dinheiro e permitindo a manutenção do fluxo de caixa, devendo ser lançado sempre em ordem cronológica e servindo como auxiliar para a contabilidade.

Para que o livro caixa tenha resultados, não se pode esquecer de fazer todas as anotações detalhadas da movimentação, deixando os valores futuros para o fluxo de caixa, como receitas ainda não recebidas, contas a pagar e cheques pré-datados, por exemplo.

Nunca misture contas pessoais com contas do consultório

Para fazer o controle financeiro do seu consultório médico de forma correta, nunca misture as contas pessoais com as contas do consultório.

Um médico gestor que tem as contas misturadas, entre as pessoais e as profissionais, não consegue manter o controle financeiro do seu consultório médico, ficando sem saber se, no final do mês, o consultório teve resultado positivo ou não.

Não importa se o consultório médico é particular, individual e autônomo ou se é registrado como Simples Nacional: o profissional médico deve estabelecer um valor mensal para suas despesas pessoais, evitando misturar o lado pessoal com o lado profissional.

Somente dessa maneira será possível saber se o consultório está ou não sendo viável e as providências que devem ser tomadas no futuro.

Consulte a planilha que estamos disponibilizando para download e comece a fazer o controle financeiro de seu consultório médico da forma como ele deve ser.

fluxo-financeiro

Até a próxima!

Leia também: CONHEÇA AS FORMAS DE REGISTRAR SUA CLÍNICA MÉDICA E LEGALIZAR O SEU NEGÓCIO

O Papel da Gestão Financeira na área da Saúde

Gerir as finanças de qualquer negócio relacionados a saúde hoje em dia é como dirigir um carro com janelas embaçadas, isto é, é muito difícil enxergar para onde se está indo, por isso, os riscos são enormes.

Como em qualquer indústria, a gestão financeira na área da saúde envolve manipulação das operações financeiras de rotina, tais como a negociação de contratos, gerir bem o fluxo de caixa, controlar todas as entradas e saídas, manter um capital de giro para as despesas, tais como, folha de pagamento e materiais de escritório, e principalmente, manter reservas líquidas para custos inesperados.

Num nível executivo da empresa, gestão financeira significa fornecer aos outros membros da equipe de liderança informações precisas para fazer planos estratégicos e se preparar para o futuro. Por exemplo, os empreendimentos da área da saúde, como os grandes consultórios médicos e hospitais, podem decidir oferecer testes ou tratamentos expandidos através da compra de novos equipamentos médicos para a instituição ou empresa. Os dados gerados pela gestão financeira ajudam nas tomadas de decisão sobre qual será a melhor maneira de pagar por isso sem causar danos à saúde financeira do negócio.

Reuniões estratégicas para melhorar as finanças

Estratégias de negócios e gestão financeira estão intimamente interligados. Alguns hospitais utilizam como estratégia, por exemplo, comprar as clínicas médicas das redondezas ou vizinhas do hospital. Os médicos que vendem suas clínicas tornam-se funcionários do hospital e o hospital se torna uma rede hospitalar regional. Dessa forma, o hospital constrói um fluxo financeiro mais consistente e contínuo, isto é: Ele recebe o dinheiro de todo o espectro relacionado aos tratamentos médicos, tais como, exames para a cirurgia e serviços de reabilitação, serviços que seriam prestados por essas clínicas.

Adquirir essas clínicas traz novas receitas de imediato, de modo que o fluxo de receita ajuda a pagar a compra das mesmas, e o sistema ou rede hospitalar regional, que é muito maior do que o hospital sozinho, tem maior poder de negociação com as empresas de planos de saúde.

Gerir os custos do tratamento é fundamental para a sobrevivência

Para uma empresa de planos de saúde, o custo-benefício da medicina é crucial para a sobrevivência financeira do negócio.

Um exemplo prático: As seguradoras criam listas de medicamentos que estão dispostas a pagar por tratamento e diretrizes para seus médicos contratantes. As seguradoras, em seguida, se utilizam de meios de controles tecnológicos, como softwares para controlar a “utilização” dos médicos individualmente – e suas escolhas de testes e tratamentos – para certificar-se que os mesmos estão seguindo as orientações sobre o uso das medicações indicadas.

A relação custo-benefício da medicina, é tão importante para a estratégia de negócios de uma empresa de planos de saúde, que o desenvolvimento de diretrizes se eleva ao nível da gestão financeira. É uma tarefa que exige um significativo know-how na área médica de seus gestores.

A seguradora quer trabalhar com tratamentos para evitar custos mais elevados a longo prazo. Porém, os médicos precisam ter certeza de que os tratamentos são, do ponto de vista médico, eficientes para a saúde dos pacientes. Caso contrário, colocam em risco a vida dos pacientes e ficam vulneráveis à sofrerem processos por erros médicos.

Prevenção para evitar despesas de longo prazo

Uma organização hospitalar, responsável pela manutenção da saúde através de seus grandes centros de tratamentos que podem ter os mesmos pacientes por muitos anos, compartilham os mesmos objetivos dos órgãos que gerem a saúde pública: a prevenção de doenças caras, mantendo os pacientes saudáveis.

Por exemplo, as empresas de plano de saúde querem ter o melhor custo-benefício em seus tratamentos, por isso investem em testes de triagem para doenças cardíacas e câncer, que quando diagnosticadas, exigem controle e tratamento contínuos, onerando assim o fluxo de despesas dessas organizações. Logo, para se prevenir contra estes custos, a investigação médica é indispensável.

Em vários países do mundo, as maiores administradoras de planos de saúde financiam parte das pesquisas médicas mais relevantes, e qualquer entidade de saúde que tenha um grupo de pesquisa afiliado – e muitos o fazem – acrescentam o seu financiamento às tarefas da gestão financeira. O financiamento de pesquisa traz um custo-benefício bem mais atraente do que longos tratamentos com medicações caras.

Mudanças trazem novos desafios

A gestão financeira é uma arte e uma ciência em qualquer indústria, mas quando nos referimos à indústria responsável por cuidar da saúde, estamos falando de desafios particularmente difíceis, pois é uma indústria muito dinâmica e que muda de forma célere e contínua. Mas, mudanças são inevitáveis. Por isso, clínicas médicas, hospitais e empresas de plano de saúde terão a cada dia que manter uma gestão financeira excepcionalmente qualificada, para garantir a sustentabilidade e a saúde financeira de seus negócios.

Contar com uma assessoria contábil especializada em contabilidade para clínicas médicas, contabilidade hospitalar, contabilidade para médicos ou contabilidade para profissionais da área da saúde é essencial para se manter uma gestão financeira hospitalar precisa e eficiente.

Conte sempre com um contador!

Até a próxima!