Impostos para engenheiros e arquitetos. É possível reduzir?

É impossível não sentir o impacto que os impostos causam no nosso bolso todos os dias. O Brasil é o segundo país mais cobrador de tributos da América Latina, perdendo apenas para Cuba. Em 2017, a carga tributária nacional chegou a 32,4% do PIB, conforme dados da Receita Federal. Diante desse cenário, tornar e manter seu empreendimento um sucesso vai além de ser bom nesse mercado que já está saturado há tempos. É necessário ter um planejamento tributário especializado que entenda o seu negócio e que busque soluções realmente eficientes para você economizar e lucrar mais.

Pensando nisso, a Proativa Consultoria Contábil reuniu algumas dicas direcionadas para Engenheiros e Arquitetos que buscam uma ajuda especializada para reduzir o volume de impostos de sua empresa, sem entrar em desacordo com a lei.

 

  • Aposte em ajuda especializada
    Já falamos acima, mas é importante reforçar que uma consultoria especializada faz toda diferença. Uma equipe contábil que conhece a realidade do seu negócio é capaz de encontrar soluções com mais eficiência. Empresas de Engenharia e Arquitetura fazem parte de um nicho muito específico, e podem ter oportunidades de redução de impostos que empresas contábeis não especializadas não consigam identificar. Procure a ajuda correta e torne seu negócio ainda mais rentável!

    Escolha o regime tributário correto
    Determinar o regime tributário da sua empresa, muitas vezes, não é uma tarefa fácil. Essa é uma escolha que deve ser tomada diante de uma análise do seu negócio, assim você garante que tudo está dentro da lei e que você não está pagando mais impostos que o necessário. Existem três tipos de regime: Simples Nacional, Lucro Real e Lucro Presumido. Eles se diferenciam, basicamente, pelo limite de faturamento. Caso você tenha dúvidas na hora de escolher o regime tributário da sua empresa, falamos novamente, procure uma ajuda especializada e evite perdas de dinheiro e de tempo!

    Aproveite os incentivos fiscais
    Investir em uma consultoria especializada permite que profissionais estudem com você possibilidades reais de encontrar incentivos fiscais para o seu negócio. Essa é uma saída para utilizar a lei ao seu favor e aproveitar os recursos que seriam destinados ao pagamento de impostos para investir na sua empresa, como na compra de recursos materiais, softwares de gerenciamento ou treinamentos para colaboradores.

    Tudo isso faz parte do planejamento
    Quem planeja, tem mais chances de tornar seu empreendimento bem-sucedido. Não cansamos de dizer isso aqui porque há muitos anos a Proativa Consultoria Contábil atua no mercado auxiliando empresas a alavancarem seus rendimentos. Existem diferentes tipos de planejamento tributário e você pode conhecê-los clicando aqui.

 

Respondendo à pergunta do título: é possível reduzir a carga tributária da sua empresa de engenharia ou arquitetura a partir de um estudo personalizado do seu negócio. Para isso, conte sempre com a qualidade técnica e atendimento diferenciado da Proativa! Entre em contato conosco e previna, corrija ou impulsione seu planejamento tributário!

Transformação digital – sua clínica ou consultório precisa?

Provavelmente você já deve ter ouvido falar da transformação digital. Essa é uma das tendências mais comentadas da atualidade e se tornou um processo de expansão em diversos setores, principalmente o da saúde. 

Mas o que de fato seria esse processo? São medidas que as empresas estão tomando para utilizar a tecnologia para melhorar o desempenho, aumentar o alcance e gerar resultados mais eficientes.É importante entender que essas mudanças englobam também a chegada de novos hábitos e comportamentos. Afinal, a tecnologia precisa ser utilizada como uma ferramenta para desbloquear potenciais humanos.

Na prática, já não existe outra saída. O mundo mudou e a transformação digital é algo imprescindível. Para clínicas e consultórios, isso significa melhorar a gestão, otimizar processos, diminuir a margem de erros, melhorar o atendimento e experiência do paciente e, inclusive, gerar novas oportunidades de negócio. Não é por acaso que a cada dia presenciamos o surgimento de mais e mais startups na área da saúde.

E agora, por onde começar?

Para que sua clínica ou consultório realize a transformação digital, o primeiro passo é enxergar o negócio de uma maneira completa, assim, com essa visão macro e micro, você conseguirá identificar as necessidades da empresa e investir com maior assertividade nas ferramentas de gestão.

Esse tipo de mudança exige planejamento, investimento em soluções tecnológicas e também treinamento para a equipe.

Quais são os benefícios?

As vantagens giram em torno dos pontos apresentados anteriormente. Por exemplo, a clínica ou consultório precisa ter um software de gestão que auxilie na otimização do tempo, que armazene dados relevantes para análises futuras – como entendimento de gastos, fluxo de caixa, dias e horários com mais movimento, procedimentos mais utilizados etc -, que seja de fácil consulta, que tenha uma navegação intuitiva e que também possua um serviço de suporte de qualidade.

O prontuário eletrônico também é uma solução muito eficaz. Ele permite que os profissionais tenham acesso ao histórico do paciente. Isso faz com que essas informações facilitem até um atendimento multiprofissional, sem contar que o médico ou dentista pode utilizar alguns recursos para discutir casos e encontrar alternativas melhores para os pacientes.

Também falamos sobre novas oportunidades de negócio. Um exemplo recente disso é a telemedicina que pode ser uma nova atividade na rotina dos profissionais de saúde. Essa área de atendimento ainda está sendo discutida e precisa se consolidar, mas a cada dia percebemos que a tecnologia avança e que ela continuará modificando todas as formas de consumir, trabalhar, estudar e se cuidar.

Se você ainda não iniciou o processo de transformação digital, procure profissionais especializado para te auxiliar nesse caminho. Caso precise de ajuda para planejar a gestão financeira e contábil, conte com os serviços da Proativa. É só falar com um dos nossos consultores!

Saiba como o empreendedor se diferencia do empresário

 

Você se vê como um empresário?

Ou como um empreendedor?

Muitas vezes ouvimos os dois termos destinados ao mesmo sentido, palavras sinônimas, no entanto, não são!

Empresário é aquele que possuí uma empresa.

Empreendedor não necessariamente precisa possuí-la.

Mas quais as principais características de um empreendedor?

Todo empresário precisa ser empreendedor?

Confira a seguir como se distingue um Empreendedor de um Empresário.

Dois em um!

Pode-se dizer que nem todo empresário é empreendedor e nem todo empreendedor é empresário.

O ideal para o sucesso empresarial seria a junção das funções, assim a empresa teria muito mais chances de sobreviver no mundo dos negócios.

Ou seja: seria excelente se uma só pessoa reunisse todas as qualidades para ser ao mesmo tempo um empreendedor empresário.

No entanto, nem sempre é isso que acontece, muitas vezes, o perfil de um empresário não é tão empreendedor assim, enquanto outras vezes um empreendedor brilhante não tem sua própria empresa.

Existem certas habilidades e posturas que diferenciam um do outro. Entenda os perfis.

Empreendedor

O perfil empreendedor é aquele que geralmente tem boas ideias, tanto para criar uma empresa, quanto em toda sua existência sempre inovando e renovando seus projetos.

Normalmente um empreendedor enxerga com mais facilidade os objetivos e em criar estratégias para atingir seus objetivos em prazos previamente estabelecidos.

Ele se diferencia de outros indivíduos pela capacidade de encontrar oportunidades onde os outros achariam impossível.

Ele acredita no seu potencial, monta um projeto e o coloca em prática, mesmo que isso implique em risco, pois sua perseverança ultrapassa possíveis frustrações e assim ele continua sempre motivado a novos desafios.

Empresário

O empresário por outro lado mantém uma postura de cautela, ele tem a empresa que pode ter sido, montada, comprada ou herdada.

Geralmente sua atuação é resumida em administrar a instituição da maneira como ela começou, não há grandes inovações.

Sua postura é mais conservadora, normalmente não gosta de correr riscos para colocar um projeto em prática. Não é adepto de mudanças bruscas e nem está aberto a muitas novidades.

Para momentos em que se precisa de cautela, seu comportamento é extremamente adequado, afinal, ele sempre procura manter as coisas estáveis sem grandes problemas, porém, sem muito progresso também…

O equilíbrio perfeito

Existem pessoas que possuem todas as competências necessárias para efetuar com excelência os dois papéis.

No entanto, é difícil que isso acontecer, pois enquanto o empreendedor precisa ser intenso e manter sua visão sobre o futuro inovadora e motivada o empresário deve convencer as pessoas respaldado em argumentos concretos, sempre levando em conta análises prévias.

Se você possui todos os recursos para desempenhar bem as duas funções, parabéns, afinal é bem difícil ter um perfil tão eclético assim.

Porém, se não possui, existem soluções!

Que tal uma sociedade complementar?

Encontrar em outra pessoa aquilo que falta em você como profissional.

Se você possui perfil empreendedor, procure equilíbrio na ponderação e estabilidade de um empresário, conte com sua experiência e manejo em conduzir situações que necessariamente precisam de segurança e estabilidade.

E se possui um perfil de empresário, que tal buscar a inovação e o olhar além das expectativas do empreendedor, sua perseverança e motivação podem render boas chances de grandes negócios e novos projetos.

Casar diferentes perfis em busca de um objetivo comum pode ser muito lucrativo no mundo corporativo.

Mantenha-se aberto a possíveis fusões e sociedades.

Pode-se dizer que empresário e empreendedor são como uma dupla em um jogo de vôlei, cada um com suas habilidades e funções, contudo, com o mesmo propósito: VENCER!

Portanto, pense nas possibilidades, afinal, não se mexe em time que está ganhando, não é mesmo?!

Se você tem dúvidas ou deseja mais informações entre em contato conosco. Queremos ajudá-lo.

Empreendedor x administrador: Dicas para ser um profissional completo

Você é um empreendedor administrador?

Ou você está mais para um administrador empreendedor?

Difícil responder essas questões, certo?

Pois, saiba que se você conseguir aliar as duas funções, suas chances de crescimento profissional e empresarial são enormes.

Mas qual é o conceito de ser um ou outro?

Quais habilidades o empreendedor precisa desenvolver junto com o administrador podem ser fortalecidas?

Quais as técnicas o administrador pode agregar ao empreendedorismo para formar um profissional completo?

Confira essas e mais respostas nas dicas a seguir!

Empreendedor x administrador, qual o conceito?

Um empreendedor normalmente é aquele que tem as boas ideias, que tem um sonho de ter seu próprio negócio, e assim começa a se lançar no mundo dos negócios.

Ele é responsável por inventar e reinventar a empresa durante toda sua vida, é audacioso e perseverante.

Já o administrador geralmente é aquele que tem formação em administração, ou seja, tem conhecimento teórico de como gerir uma empresa, de como cuidar de seu planejamento, mantê-la em ordem e saudável financeiramente.

Você consegue enxergar a importância das duas funções dentro de uma empresa?

Elas se completam, uma empresa precisa de audácia e inovação, porém, dentro de um planejamento adequado com riscos previamente calculados.

Juntando forças e habilidades

E, falando em crescer profissionalmente, que tal juntar as habilidades de ambas as funções e se tornar um SUPER EMPREENDEDOR ADMINISTRADOR?!

Para isso é preciso praticar, verificar quais as suas dificuldades em realizar uma das funções e procurar conhecimento e experiências para ajudar a fortalecer sua mentalidade de empreendedor administrativo.

Veja alguns pontos aos quais você deve se atentar para conseguir desempenhar o papel com eficácia.

Essas dicas servem para qualquer que seja o seu lado mais proativo, se você é mais administrador, exercite seu lado empreendedor e vice-versa.

  1. Fique sempre atento às oportunidades;
  2. Persista, obstáculos existem e, com planejamento, podem ser superados;
  3. Transforme sua energia em metas e objetivos;
  4. Calcule os riscos e analise alternativas ;
  5. Comprometa-se sempre com seu negócio, coloque literalmente a mão na massa e se preciso for, ajude nas atividades diárias do empreendimento;
  6. Busque sempre informações e conhecimento junto ao mercado, sobre os resultados da sua empresa, entenda a satisfação dos seus clientes
  7. Fique sempre atento aos seus concorrentes;
  8. Estabeleça metas, tenha uma visão de crescimento a médio e longo prazo;
  9. Coloque prazos para atingir suas metas;
  10. Planejamento é tudo, revise seu plano de negócio regularmente, mantenha controle financeiro do empreendimento, pois o mesmo pode ajudar na hora de uma tomada de decisão importante;
  11. Mantenha uma rede de contatos atualizada;
  12. Exercite a sua capacidade de influenciar positivamente as pessoas;
  13. Exercite seu relacionamento comercial junto a clientes e fornecedores;
  14. E o mais importante, mantenha-se confiante, acredite em todo seu potencial e nunca pare de aprender e se reciclar.

Consegue apontar quantas dessas práticas já existem na sua rotina?

Em um mundo tão competitivo, se você ainda está pensando no que pode ser feito para que você possa se tornar um profissional melhor, se apresse, pois o tempo voa e o mercado não espera

Atente-se a cada detalhe, entenda todos os seus pontos fortes e identifique aqueles que podem ser melhorados.

Se você já é bom em planejamento, em gestão e em administração no geral, invista em descobrir quais são suas habilidades criativas, exercite sua mentalidade empreendedora.

Se você é bom com ideias e inovação, invista em conhecimentos técnicos, adquira informação e a transforme em disciplina.

No final o que vale é se reinventar como profissional, para buscar melhores opções no mercado.

E nunca deixe que um lado ofusque o outro, lembre-se, só vale se dedicar a ser um profissional multifacetado se for para somar e evoluir!

Tente! Você pode se surpreender com o tamanho da sua capacidade profissional

Precisa de alguma ajuda? Entre em contato!

Entenda a diferença entre preço e valor de um produto ou serviço

Os conceitos de preço e valor são recorrentes no dia a dia de um empreendedor, mas será que você exatamente qual é a diferença entre os dois termos?

De maneira básica, preço é o que o cliente paga, e valor é o que o cliente leva para sua residência.

A grande verdade do mundo e que você, empreendedor, precisa se atentar, é que as pessoas não estão mais somente querendo comprar um produto, mas sim um artigo que entregue alguns valores.

Por exemplo, a pessoa que faz a compra de uma televisão não quer somente um aparelho que possua entradas eletrônicas. Quer também ter a satisfação em seu lar, com som e imagem que sejam de alta qualidade, tendo ainda a sua programação preferida passando.

Falando assim, talvez o sentido dos dois termos até fique mais claro na sua cabeça, mas não precisa se preocupar. Nós vamos falar sobre isso mais a fundo, para que você consiga entender a diferença entre preço e valor de um produto ou serviço.

O que é o Preço?

O preço representa, de maneira efetiva, a quantidade de dinheiro que o consumidor vai investir no momento em que adquirir um novo bem ou serviço.

Logo, este é um dado considerado “palpável” e que pode ser quantificado.

elaboração do preço é algo que envolve:

  • O custo de produção da mercadoria;
  • A margem de lucro que se deseja adquirir sobre a venda do mesmo;
  • A demanda;
  • Os preços dos concorrentes;
  • Perfil e poder de compra do público alvo.

De forma geral, não é o preço que define a escolha de compra. Quando o cliente se vê diante de produtos ou serviços que tenham os preços semelhantes, ele vai acabar escolhendo por aqueles que tenham maior valor. Exatamente por isso que é indispensável trabalhar a percepção e diferencial de valor agregado à sua marca.

O que é o valor?

O valor se define como o grau de satisfação entre expectativas e necessidades que são atendidas por um produto ou serviço.

O valor não diz respeito ao próprio produto, mas sim a algo que é dado a ele pelo consumidor, que irá analisar o grau de:

  • Necessidade;
  • Qualidades;
  • Atributos.

Só quando o cliente é capaz de perceber esse valor é que ele consegue adquirir a sensação de que a aquisição, não importa qual o preço investido, foi de fato, um negócio vantajoso. Para algumas pessoas, esse sentimento de ter algo valioso é bem mais forte ou preciso do que para outras.

Vamos citar um exemplo, para tornar mais fácil a compreensão: para um homem que joga futebol e é apaixonado por isso, comprar chuteiras novas que tenham a assinatura de um jogador famoso tem um valor bem mais alto do que para sua esposa, que não se interessa pelo esporte e, caso o preço fique acima do que ela considera aceitável, a chuteira se tornará cara.

Estabelecer o valor de uma marca pode ser uma coisa um pouco mais complicada do que o preço, porque afinal, ele é algo intangível. É uma percepção bastante variável, dependendo muito do ponto de vista de cada pessoa.

  • O valor que você consegue ver em seu produto;
  • O valor que o seu cliente enxerga, que é o que define o quanto ele está disposto a pagar;
  • Valor que o mercado vê.

Esses três são completamente diferentes e, é importante que você entenda a diferença entre preço e valor de um produto ou serviço.

Agora é hora de praticar o que aprendeu!

Qualquer dúvida entre em contato conosco! Será um prazer falar com você!

Regras para se tornar um MEI – Microempreendedor Individual

Muitos empreendedores sonham em ter uma empresa… Trabalhar de forma legalizada em seu ramo de atuação e ter os benefícios que uma empresa ativa tem.

Você sabia que existe alternativa para que isso aconteça e está totalmente ao alcance de todos?

Você já pensou em se tornar um MEI – Microempreendedor Individual?

Essa é uma boa alternativa para os microempreendedores que desejam se lançar no mundo dos negócios.

Leia este artigo que preparamos especialmente para você que quer formalizar a sua atividade empreendedora! Fique por dentro de todas as regras para se tornar um MEI – Microempreendedor Individual

O que é o MEI – Microempreendedor Individual?

O MEI – Microempreendedor Individual é alguém que trabalha por conta própria, mas de maneira legalizada.

A Lei Complementar/128 que formaliza a atividade do MEI – Microempreendedor Individual foi aprovada em 2008, e passou a valer em 2009. A partir da vigência desta LC, aproximadamente seis milhões de empreendedores deixaram o empreendedorismo informal e desde então gerenciam suas pequenas empresas dentro da legalidade e gozam dos benefícios que a Lei lhes garante.

Hoje já são mais de 500 atividades que se encaixam nesse regime empresarial.

Quais são as regras para ser um MEI – Microempreendedor Individual?

nao ex 1

Se você se interessou pelo assunto, saiba que para se cadastrar como um MEI – Microempreendedor Individual a legislação determina algumas regras.

São elas:

  • Faturamento de até máximo do que R$ 60 mil por ano;
  • Não ser sócio de nenhuma outra empresa;
  • Ter apenas um funcionário com salário mínimo ou piso da categoria
  • Estar entre as atividades permitidas pelas regras estabelecidas pela legislação do MEI;
  • Ter local apropriado para o funcionamento da empresa (verifique na prefeitura de sua cidade se é permitido realizar a atividade em sua residência).
  • Importante: O novo limite de faturamento para o MEI em 2018 será de 81.000,00 – R$ (média de recebimento mensal de 6.750,99)

É importante lembrar que a abertura da empresa é feita de maneira rápida e fácil, podendo ser até pela internet, e o mais importante, completamente isenta de taxas de registro.

Se seu negócio se encaixa em todas essas exigências legais…Parabéns! Entre no Portal do Empreendedor, faça o seu cadastro e torne-se um MEI – Microempreendedor Individual de sucesso!

Se mesmo entrando no Portal do Empreendedor ainda lhe restarem dúvidas, fale com um contador de sua preferência. Dentro do próprio portal do empreendedor você encontrará a ajuda de contadores que terão um imenso prazer em lhe atender. Confira o que os Contadores do Bem podem fazer por você clicando aqui .

Quais os benefícios em se tornar um MEI?

nao exclusivo 2

O MEI – Microempreendedor Individual se enquadra no regime tributário do  Simples Nacional, um regime simplificado de tributação que reúne oito impostos em uma mesma alíquota. Porém o MEI está isento de pagar os tributos federais (IRPJ, PIS, Cofins, IPI e CSLL).

O MEI terá que pagar apenas os seguintes impostos unificados:

  • INSS a 5% do salário mínimo
  • ICMS à R$1 sem alterações (Comércio e Indústria)
  • ISS à R$ 5 sem alterações (Prestação de Serviços)

Em 2017 os valores do impostos para o MEI são:

  • R$ 51,85 para empresas de serviços;
  • R$ 52,85 para comércio e serviços;
  • R$ 47,85 para Indústria e comércio.

Esses impostos são pagos mensalmente, mesmo que não haja faturamento no mês de referência.

Caso o MEI contrate funcionários, terá de pagar alguns outros tributos.

Obrigações de um MEI

É importante que o empreendedor tenha em mente que ao se tornar um MEI – Microempreendedor Individual, algumas obrigações devem ser cumpridas, a fim de que sua empresa esteja sempre em conformidade com as leis fiscais e pronta para atuar.

São elas:

  1. Concessão do Alvará de funcionamento, esse documento deve ser solicitado junto ao governo municipal.
  2. Normas sanitárias (para quem manuseia alimentos)
  3. Relatório mensal de receita bruta, que deve ser anexado aos demais documentos da empresa (N.F de compra e N.F emitidas)
  4. Declaração de Imposto de renda anual simplificada.
  5. Se houver um empregado contratado o empreendedor deve manter todos os seus direitos assegurados e o depósito do FGTS em dia, além de recolher a previdência social do colaborador.

Com essas simples ações, você, como empreendedor estará completamente dentro das regras impostas pelo governo para ter sua empresa legalizada.

Agora que você já conhece todas as regras para se tornar um MEI – Microempreendedor Individual, que tal começar a colocar seus planos em prática?

Temos certeza que você tem uma grande ideia, ou até mesmo já é um empreendedor, porém , de modo informal, não é mesmo? Que tal sair da informalidade hoje mesmo e aproveitar essa grande oportunidade de atuar profissionalmente com seu próprio negócio totalmente legalizado?

Acredite nos seus sonhos, confie no seu potencial, perceba o tamanho dos seus objetivos e entenda como eles podem mudar sua vida!

Você tem duas alternativas, ficar sonhando sem pretensões ou…

Acordar e realizar todos os seus objetivos…

E aí qual sua escolha?

Você é do tamanho dos seus sonhos… e sonhar grande ou sonhar pequeno dá o mesmo trabalho!

Força, foco, fé e uma ajudinha extra com os benefícios do MEI e você conquistará tudo aquilo que estiver disposto a conquistar!

Sucesso!!!!

Se houver algo que possamos ajudar entre em contato, teremos prazer em atendê-lo.

Até a próxima!

5 Redução de custos em meio à crise!

Você é do tipo de empreendedor que fica parado, sem visão, ou do tipo que consegue ter uma percepção apurada nos desafios da vida?

É fato que a crise ainda impera em vários setores, mas você já parou para pensar o que difere entre as empresas que obtém sucesso mesmo diante às crises, daquelas que fecham as portas?

Empreendedores que aprendem a se preparar, a se organizar e claro, a agir assertivamente em seus negócios, conseguem ter mais lucro e assim passam na frente das dificuldades!

Às vezes, o empreendedor até acha que o problema está em seu nicho de atuação e até pensa em empreender com outra coisa, se inspira a abrir outra empresa, quando na verdade a verdadeira solução na maioria dos casos se resume em um sentido: redução dos custos!

Não adianta mudar de empresa, fechar a empresa ou mudar de ramo e mercado, porque do mesmo jeito será preciso pagar taxas, tributos e aplicar investimentos. Quando se decide ser empreendedor ou você se determina a trabalhar com essa mentalidade ou afundará!

Então, o que você precisa ter em mente para vencer a crise e alavancar o seu negócio?

Você já parou para conversar com um contador realmente especializado? Não qualquer contador, mas um que realmente entenda o que pode ser feito para ajudar o seu empreendimento.

A contabilidade é como aquele casamento que precisa de toda atenção e dedicação, do contrário, sérios conflitos judiciais, fiscais e tributários ocorrerão, podendo atém neste caso, falir o seu negócio!

Nenhum outro especialista além do contador poderá te ajudar nesse sentido. Sabe por quê? Porque é o contador que fará um mapeamento detalhado e criterioso do seu negócio, sabendo onde estão as brechas!

São essas brechas que geralmente fazem com que você sinta dificuldades e tenha problemas no desenrolar do empreendedorismo. Por exemplo, será que o regime tributário em que sua empresa está enquadrada hoje, realmente é o melhor para sua atividade? Será que através de um planejamento tributário, sua empresa não poderia ser enquadrada em outro regime reduzindo assim consideravelmente sua carga tributária mensal?

São essas coisas que precisam ser conversadas com um contador especializado!

Outro detalhe…

O que realmente é necessário e o que é supérfluo?

Você pode nunca ter parado para pensar no assunto… mas sabia que terceirizar serviços pode sair bem mais em conta do que ter funcionários fixos?

Veja bem; hoje em dia a contratação terceirizada, seja com empresas ou freelancers te isentam de ter que pagar impostos sobre contrato CLT. Imagine poder eliminar boa parte dessas taxas abusivas, pelo fato de saber economizar nesse âmbito!

Os contratos podem ser feitos pelo contador, com estipulação dos mecanismos e atribuições do trabalho. Além de você se livrar de pagar décimo terceiro e taxas de INSS e etc.; ainda poderá evitar problemas judiciais com horas extras e tudo o mais.

É um bom caso a se pensar, não é mesmo?

Outro detalhe ainda sobre isso…

Imagine o quanto você poderia reduzir em consumo de energia, se em vez de pagar por uso próprio desse recurso, você pela contratação terceirizada não precisasse se preocupar com esse detalhe. Sabe porquê?

Porque simplesmente o profissional ou a empresa desempenharia suas funções, estando externo a empresa. Ou seja, a eletricidade, a água e o consumo de outros recursos não seriam utilizados pelo seu negócio. Resultado? Você economizaria muito mais de 60% em todos esses!

Que diferença isso faria no final do mês? Já imaginou o quanto você poderia economizar e livrar de capital?

Muito bom, não é mesmo?

Esses são os pontos principais para que você aprenda e entenda como e de que modo pode sair da crise, vencer os desafios econômicos e ainda garantir maior lucratividade, a partir de medidas simples!

Bem, provavelmente você nunca pensou sobre o assunto, mas de agora em diante já pode analisar todas essas medidas de maneira muito mais proveitosa, não é mesmo?

E então, quer saber mais como poder economizar em seus custos e como se adequar melhor com as tributações?

Podemos te beneficiar nesses e em outros assuntos empresariais e financeiros.

Entre em contato! Teremos grande prazer em ajudar!

Grande abraço de nossa equipe de especialistas.

Até a próxima!

7 erros cometidos por empreendedores antes de abrir uma empresa

Ao decidir abrir uma empresa, muitos empreendedores cometem alguns tipos de erros que podem ser fatais para o crescimento e a longevidade de seu empreendimento. Os erros mais comuns ocorrem quando um empreendedor acredita que apenas ter uma grande ideia de negócio e colocá-la em prática já é o suficiente para lançar um empreendimento de sucesso.

Grandes ideias  são essenciais para se fazer grandes negócios, porém, as empresas que iniciam suas atividades e que mais perduram em seu segmento de atuação, são lideradas por empresários que querem começar do modo certo, de modo a evitar erros ou aprender rapidamente para não repetir erros do passado ou de outros empreendedores que eram grandes promessas, mas que sucumbiram diante da miopia corporativa.

Neste artigo falamos sobre os 7 erros cometidos por empreendedores antes de abrir uma empresa. Fique atento para não cometer os mesmos erros. Boa leitura!

# 1 Indefinição das metas

As metas SMART de longo alcance (Específicas, Mensuráveis, Alcançáveis, Realistas e Temporais – relacionadas ao tempo) ajudam a guiá-lo durante os primeiros e mais caóticos dias da abertura de uma empresa, e são muito valiosas para direcionar seus esforços de planejamento de longo prazo. As empresas mais bem sucedidas são o resultado de um plano de negócios bem elaborado, com metas comerciais, metas financeiras, metas de marketing, dentre outras, muito bem definidas, de modo a perseguir o alcance dos objetivos traçados para o sucesso do empreendimento.

# 2 Não saber quem é seu “cliente ideal”

Do que adianta ter um novo produto ou serviço se você não sabe para quem vender? Antes de abrir uma empresa, você precisa realizar pesquisas de mercado e assim ter, total certeza, de que existe demanda para seus produtos e serviços, para quem você deseja vender, onde você pode encontrá-los e o tipo de abordagem de marketing mais adequado à necessidade de seu público alvo.

# 3 Negligenciar o Marketing é um pecado mortal

Digamos que você identificou seu público-alvo. Qual é a maneira mais eficaz para eles conhecerem o que sua empresa faz? A resposta está no tipo de estratégia de marketing que você irá traçar e implementar para divulgar o seu negócio. Pode ser através da publicidade tradicional, campanhas de mala direta, marketing digital, site da empresa, postagens em seu blog de conteúdo relevante para este público, otimização do site para os motores de busca na web (como o Google), investir em mídias sociais ou contar com boas referências à moda antiga. De algum modo você precisa mostrar ao mercado que existe uma nova opção para os consumidores ou nada irá acontecer. Não cometa o erro fatal de acreditar que os clientes virão até você. Quem não é visto, não é lembrado!

# 4 Insistir em fazer tudo sozinho

Ao abrir uma empresa, a maioria dos empresários dá um verdadeiro “show de empreendedorismo”, isto é, cuida de cada detalhe do negócio, seja este grande ou pequeno. Porém, os processos operacionais começam a aumentar e fica impossível para qualquer empreendedor, mesmo que este seja um “showman”, cuidar de tudo sozinho.

Uma empresa precisa contar com habilidades diversificadas nas mais variadas áreas para ser um sucesso. Logo, apenas um indivíduo não dará conta de tudo. Entre os erros mais comuns cometidos por empreendedores ao abrir uma empresa está a persistência na crença de que podem fazer tudo sozinho. Essa atitude não deixa tempo para elaborar estratégias, pesquisar a concorrência, adaptar-se às constantes mudanças de seu mercado – ou mesmo ter ótimas noites de sono. A solução? Contrate uma equipe capacitada para te ajudar!

# 5 Contratações sem critério

Contratar as pessoas certas para “se juntar” ao seu empreendimento é fundamental. Mas não espere que estes profissionais “caiam do céu em seu colo”. Portanto, não se apresse para contratar a primeira pessoa que “aparentar” qualificações para um determinado cargo. Reconhecer a necessidade de ter profissionais talentosos ao seu lado é o primeiro passo crítico para formar uma equipe capacitada. Em seguida, certifique-se de contratar certo – e depois delegue sabiamente.

Saber delegar de modo eficiente é a melhor maneira de qualquer empreendedor – dono de um novo negócio – ter tempo para se dedicar às atividades empresariais que exijam realmente a sua especialização. Construir uma equipe posicionada e bem preparada é fundamental para o sucesso empresarial em longo prazo.

# 6 Não estimar o tempo e os custos envolvidos

Alguns empresários tornam-se excessivamente otimista sobre o quão bem eles podem gerenciar sozinhos tanto o seu tempo, quanto suas finanças. Qualquer empresário mais experiente pode confirmar que as coisas não funcionam dessa forma. Abrir uma empresa sempre leva mais tempo do que o esperado e os custos inesperados  podem surgir a qualquer momento.

Faça um planejamento seguro, com estratégias de contingência, tanto para o fator tempo, quanto para o fator finanças. Por isso é essencial contar com o apoio de uma assessoria contábil experiente para lhe ajudar no planejamento e cuidar de toda a burocracia inevitável ao abrir uma empresa.

# 7 Esquecem-se de se divertir

Abrir uma empresa é um compromisso enorme e você deve levar isso muito a sério. Mas você será um empresário melhor (e uma pessoa melhor) se evitar perder aquele brilho no olhar e aquela garra que o levou a querer empreender em primeiro lugar.

Qual era o seu propósito? O que você tinha em mente? Você ama realmente o que você faz? Quem ama o que faz, apesar de toda seriedade que o mundo corporativo exige, se diverte dando o seu melhor.

Se você não gostar do processo, então, o que você deve fazer? Continuar se sacrificando apenas em nome do sucesso? E ai, você parou de se divertir?

Leve seus negócios a sério, porém, não se leve tão a sério assim. De vez em quando “fazer algo bobo”,  pode fazer você se sentir como uma criança novamente. E ninguém pode tirar a crença e a esperança de uma criança em um futuro melhor. E o principal, crianças constroem o futuro se divertindo!

Continue se divertindo ao empreender e seja um sucesso em tudo que você fizer e não apenas nos negócios!

Pense nisso e até a próxima!

Abri minha primeira empresa, e agora?

Como receberei meus rendimentos?

Acabei de abrir minha primeira empresa, porém tenho algumas dúvidas:

  • Como receberei os meus rendimentos?
  • Sou obrigado a receber pró labore?
  • Como ficam os impostos sobre o pró labore, preciso pagar? Eu já não pago imposto sobre o faturamento da empresa?

Estas são algumas dúvidas que pairam sobre a mente de muitos empreendedores, principalmente dos empreendedores que estão abrindo empresa pela primeira vez.

A dúvida é gerada na maioria das vezes, devido a aparente sensação de “pagamento em duplicidade”, uma vez que todos os tributos são recolhidos mensalmente pela sua empresa e ainda assim, há a necessidade de pagar também tributos pelo pagamento recebido através do trabalho exercido pelo empresário na mesma.

A busca pelos menores custos tributários é um dever de todos os empreendedores, e ter suas dúvidas sanadas é essencial para o bom andamento do seu negócio.

Para melhor entendimento desse tipo de tributação, e ficar mais clara a explicação, antes de qualquer coisa é importante saber o que é o pró-labore.

Você sabe o que é pró-labore?

O termopró-labore deriva do latim e em português quer dizer “Pelo Trabalho”. De um modo bem objetivo, nada mais é do que o salário do sócio que exerce seu trabalho na própria empresa.

Este trabalho pode ser executado tanto na administração da empresa ou prestando serviços operacionais.

Fique atento à obrigatoriedade do recebimento em pró-labore

Como este tipo de recebimento é dado ao sócio atuante no empreendimento da qual possui participação, o pró-labore é o pagamento por este trabalho.

Logo, se o sócio trabalha fixo para o crescimento do seu negócio, o mesmo terá direito a receber seu pagamento em pró-labore.

Situações de não obrigatoriedade de pagamento em pró-labore

Caso o sócio empreendedor não possui função ativa em seu negócio, o mesmo não deve participar de pagamentos neste formato.

Este caso se aplica à sócio investidor, do qual apenas investiu dinheiro no negócio e não a mão de obra. Sendo assim, este tipo de sociedade está dispensada da obrigatoriedade de recolhimento de pró-labore.

Tributos incidentes no pró-labore

Ainda que seja um integrante da sociedade no empreendimento, o sócio que executa serviços de mão de obra é considerado um funcionário, ainda que do seu negócio.

Sendo assim, sobre a sua retirada (seu salário) a título de  “pró-labore” incide alguns impostos:

  • 11% de INSS pelo sócio-empregado;
  • 20% de INSS pago pela empresa;
  • 0 à 27,5% de IRPF de acordo com a tabela progressiva;

Qual o valor mínimo obrigatório do pró-labore?

Ainda não há nenhuma legislação tributária e nem mesmo trabalhista que imponha um valor mínimo de pró-labore. O ideal é utilizar o piso salarial da categoria da função exercida pelo sócio na sua empresa.

Geralmente os sócios que exercem função ativa na rotina do seu negócio, ocupam funções de gerência ou ainda direção do mesmo. Neste caso, por lei os recebimentos devem ser superiores em pelo menos 40% do salário dos demais funcionários do setor/departamento, aplicando o artigo 62, II da Consolidação das Leis Trabalhistas que regulamentam a remuneração de funcionários que ocupam cargos de confiança.

No entanto, como não há imposição legal, muitas empresas utilizam dessa brecha para pagar o valor mínimo estabelecido pelas leis trabalhistas. Deste modo, sobre um pró-labore menor, também incide um menor tributo uma vez que as tributações são percentuais relativos aos recebimentos.

Embora não haver uma legislação especificando o valor mínimo de pagamento, os valores de recolhimento Imposto de Renda de Pessoa Física (IRPF) e  INSS podem ser facilmente percebidos pela Receita Federal e gerar autuação, implicando em penalidades legais. Por este motivo é sempre importante utilizar do bom senso e da clareza nos negócios.

Importante: Um detalhe que você deve considerar é que, o valor do pró-labore que você receber será a base para o cálculo dos seus benefícios previdenciários, tais como, auxílio-doença, auxílio-acidente, aposentadoria – por tempo de contribuição ou por idade- dentre outros. Isto quer dizer que, quanto menor seu pró-labore, menores serão os seus benefícios concedidos pela Previdência Social em tempo oportuno.

Não vacile nos negócios

De qualquer modo, um especialista contábil é sempre o melhor amigo dos seus negócios. Nunca deixe de buscar melhores orientações, principalmente sobre o ramo de atividade de sua empresa.

Um bom escritório de contabilidade está capacitado a sanar as suas principais dúvidas e ainda indicar a melhor forma de suas retiradas mensais, seja pró-labore, juros sobre capital próprio ou antecipação de lucros, sempre respeitando os limites impostos por lei.

Tendo sempre um contador como aliado nos negócios para maximização dos resultados, você conseguirá mitigar os riscos junto ao Fisco e também reduzir os custos com encargos e pagamentos de impostos desnecessários.

Como montar uma clínica odontológica: A importância da Localização

Neste segundo texto da série como montar uma clínica odontológica, falaremos sobre a importância da localização de seu consultório odontológico. Porque a localização é um dos fatores determinantes para que sua clinica odontológica seja um sucesso?

Boa leitura!

Em se tratando da decisão quanto ao local onde a clínica odontológica será estabelecida, não há regras. Neste caso, o empreendedor que deseja se estabelecer em uma cidade ainda desconhecida, deve coletar dados e pesquisar sobre cidades promissoras e que se encontram em ascensão econômica. Geralmente, cidades interioranas que transitam entre o médio e o grande porte são ideais para o investimento na carreira odontológica, segundo profissionais engajados que procuraram locais com crescimento potencial para se estabelecerem.

Ao escolher uma localização para a sua clínica odontológica, o empreendedor deve se atentar quanto aos dados demográficos da cidade, a renda per capita, o crescimento populacional, a quantidade de profissionais lá estabelecidos e suas respectivas especialidades, além do custo de vida, para que não hajam surpresas capazes de abalar o planejamento previamente realizado. Recomenda-se visitas ao local antes da decisão ser tomada.

Uma vez escolhida a cidade, o dentista empreendedor deve partir em busca de seu “ponto-de-venda”, ou o local onde a clínica odontológica será estabelecida. Se o empreendedor desejar atuar em uma especialidade de alto valor agregado para o cliente, ou serviços mais caros dentro da odontologia (ex: estética), é certo que uma fatia da população com maior poder aquisitivo irá acessar esse serviço. Por isso, os cuidados devem ser redobrados quanto a escolha do bairro, do imóvel e seu estado de conservação, o atendimento de recepcionistas, a pontualidade de atendimento, a flexibilidade para abrir exceções em casos de necessidade, a acessibilidade do local, a conveniência de estacionamento, ar condicionado e outras exigências demandas pelo perfil desse público classe A e B.

Caso o empreendedor opte na oferta de serviços para a população das classes C, D e E, com serviços mais básicos (ex: clínica geral e pequenas cirurgias), suas necessidades são outras. Nessa circunstância, as prioridades do empreendedor devem estar focadas na quantidade de pacientes que são possíveis de ser atendidos durante o horário comercial. Uma vez que serviços mais básicos possuem menor valor, o profissional ganha no volume de atendimento, ou seja, quanto mais atender, mais rentável é a clínica. Para isso, é necessário que o empreendedor organize o estabelecimento com o mínimo de condições para a espera de seus clientes.

Uma tendência de mercado que vem crescendo é a locação/aquisição de espaços em estabelecimentos comerciais, como prédios de escritórios, centros comerciais, shoppings, etc., por terem um maior fluxo de pessoas com potencial de se tornarem clientes fidelizados. Regiões centrais também são valorizadas por concentrarem a maior movimentação de pessoas durante o dia. Locais com estacionamento acessível ou próximos a linhas de transporte público possuem vantagem por trazer mais comodidade àqueles que buscam qualquer tipo de serviço.

Excepcionalmente, a realização de pesquisas que estabeleçam um mapeamento do local onde o empreendimento será instalado, se faz fundamental. O dentista empreendedor deve conhecer profundamente seus concorrentes, se aproximar de seus fornecedores, além de obter informações estratégicas do local, como dados do mercado imobiliário local, eventos locais onde possa realizar a prospecção de clientes e a divulgação de seus serviços, além de mapear o perfil de seus pacientes para utilizar ações de marketing e publicidade com maior efetividade.

Viram como a escolha do local para montar uma clínica odontológica deve seguir critérios de acordo com o modelo de negócios pré-estabelecido em sua estratégia empreendedora? Esses critérios quando bem observados e seguidos à risca, são determinantes para que seu consultório odontológico tenha visibilidade e seja realmente um empreendimento de sucesso!

Não perca o próximo post da série: Como montar uma clínica odontológica: Exigências Legais e Específicas

Se você esta curtindo nossos posts, COMPARTILHE em suas Redes Sociais. Deixe também seus comentários, opiniões, dúvidas e sugestões sobre temas que gostaria de ler em nosso blog. Teremos um imenso prazer em interagir com você e publicar artigos que realmente sejam do seu interesse.

Até a próxima!

Fonte: SEBRAE

Leia também: COMO MONTAR UMA CLÍNICA ODONTOLÓGICA: CONCEITOS INICIAIS E MERCADO