Coworking para profissionais de saúde – as vantagens da economia colaborativa

Compartilhar. Essa palavra tem agregado cada vez mais sentido e valor na rotina da sociedade moderna. E não estamos falando de compartilhamento de postagens nas mídias sociais, mas de uma economia colaborativa que gerou uma nova percepção de mundo: substituir o acúmulo pela divisão.

Essa tendência é muito bem representada por aplicativos como Airbnb, Yellow e Uber que geraram soluções que transformaram formas de consumo. Dentro dessas novas formas, não poderíamos deixar de falar do coworking, modelo de trabalho que é baseado no compartilhamento de espaço e recursos de escritório. Esse modelo tem se expandido e alcançou os profissionais de saúde, se tornando uma alternativa bem interessante para quem não tem (ou não quer gastar) uma reserva financeira investindo na própria clínica ou consultório.

Fora a questão da economia, esses espaços são vantajosos por oferecerem experiências tanto para os profissionais quanto para os pacientes. Esses diferenciais vão desde a arquitetura e design dos ambientes, que esbanjam modernidade e fogem completamente dos padrões de consultórios tradicionais, até a possibilidade de networking, pois a oportunidade de conhecer outros profissionais, trocar conhecimentos e realizar parcerias não pode ser desperdiçada.

Como médicos e dentistas podem utilizar espaços de coworking?

No Brasil já existem espaços de coworking especializados para profissionais de saúde. Eles possuem facilidades para agendamento de consultas, recepcionistas, café, cozinha, armários, bicicletários, áreas para exames e equipamentos específicos para a área. Muitos também oferecem serviços personalizados que permitem que o médico ou dentista tenha uma linha telefônica, website, cartão de visita, entre outros itens de papelaria.

Quanto custa trabalhar em um coworking?

Existem diferentes tipos de pacotes, mas um dos mais comuns é o pay-per-use, no qual os profissionais só pagam pelo tempo que utilizarem o espaço escolhido. Esse recurso evita a geração de gastos quando o profissional não estiver atendendo.

Juntando com o fato de que as despesas de espaço, equipamentos de escritório, mobiliário e funcionários acabam sendo compartilhados, atender em um coworking permite uma economia expressiva.

Quem atende em espaços de coworking precisa de um contador?

Segundo Marcelo Henrique Pereira da Silva, sócio da Proativa Consultoria Contábil e Empresarial, mesmo os profissionais que optarem por atender no modelo de economia colaborativa irão precisar dos serviços de um contador. “Na verdade, toda empresa precisa. Além das obrigações fiscais e conformidades perante o fisco, o contador irá desenvolver planejamentos tributários e de custos, proporcionando um apoio financeiro diferenciado para o negócio”.

Marcelo também aproveita para dar dicas para os profissionais que estão em início de carreira e pensam em fazer parte da tendência do coworking. “É importante prestar atenção na escolha do local. Dê preferência para lugares que não sejam tão impessoais e que, mesmo que sejam tão grandes, tenham uma boa infraestrutura, localidade e conforto para os seus pacientes. Também é necessário verificar a viabilidade da utilização do endereço fiscal para a atividade médica”.

Vai iniciar seus atendimentos em algum coworking?

Entre em contato conosco e deixe sua empresa com as obrigações fiscais em dia.

Dicas valiosas para médicos e dentistas melhorarem as redes sociais de suas clínicas ou consultórios

As redes sociais são uma verdadeira extensão do atendimento que você oferece aos seus pacientes em sua clínica ou consultório. Esse ambiente digital, além de ser uma forte ferramenta para prospecção de novos pacientes, é o local onde o seu negócio está exposto para o mundo. Essa enorme vitrine online tem inúmeras vantagens, mas, caso seja utilizada de forma incorreta, pode ser um grande fator de risco para a saúde da sua empresa.

Como ninguém quer ser malvisto no universo da internet, a Proativa separou algumas dicas valiosas para você, médico ou dentista, aproveitar as redes sociais para consolidar a imagem do seu negócio e até aumentar seu faturamento. Continue a leitura e prepare-se para colocar tudo em prática!

Antes de tudo, conheça seu público

Tão importante quanto ser especialista na sua área é conhecer o seu público. Isso irá determinar o tipo de conteúdo e a linguagem que o seu negócio deve ter nas redes sociais. Informações como faixa etária, interesses, localização e gênero fazem toda a diferença. Por exemplo, se você tem um consultório de odontopediatria, seu público não é de crianças, mas muito provavelmente de mães. Você pode buscar entender o comportamento dessas mães e direcionar um conteúdo realmente relevante para elas.

Cuidado com o conteúdo

Um ponto de atenção que profissionais de saúde precisam levar em consideração é que, se o seu discurso é direcionado para clientes/pacientes, você precisa se comunicar para eles. O que isso quer dizer?

Muitos médicos ou dentistas postam imagens de cirurgias ou qualquer outro procedimento e ainda enchem as legendas com termos técnicos e difíceis para o público geral compreender.

É necessário ter bom senso. Escolha imagens que transmitam o resultado do seu trabalho e não o “problema” que você solucionou. Você pode tomar como exemplo as campanhas publicitárias de grandes hospitais: elas nunca vão mostrar um paciente debilitado, em tratamento ou sendo operado, mas sempre feliz e sorridente, transmitindo a sensação de que foi bem cuidado. O discurso segue a mesma linha e precisa cumprir sua missão de ser entendido.

Fique dentro da lei

Tanto o Conselho Federal de Medicina, quanto o de Odontologia possuem seus códigos de ética e precisam ser respeitados. Posts como “antes e depois”, consulta e diagnóstico online, promessas de resultados e exposição vexatória de pacientes não são permitidos. Caso você fique na dúvida se o que você vai postar está de acordo com o código de ética da sua classe, não hesite em pesquisar e confirmar antes.

Não deixe seu público “a ver navios”

Busque solucionar qualquer eventual problema e sempre demonstre preocupação com a solicitação do seu cliente. Lembre-se, todas essas pessoas são formadoras de opinião na internet, mesmo que em pequena escala.

Também é importante prestar atenção na frequência de postagens. Monte um cronograma e programe-se para cumpri-lo.

Considere investir

Mesmo as redes sociais fazendo parte do nosso dia a dia, manter um perfil ou página profissionais exige alguns investimentos, seja de tempo e/ou dinheiro.

Caso você não tenha uma agenda que permita que você dê uma atenção especial a essa área do seu negócio, procure capacitar algum funcionário ou busque a ajuda de profissionais especializados.

Analise seus resultados

Mais do que números de curtidas, comentários ou compartilhamentos, você pode utilizar as redes sociais para escutar as necessidades (ou reclamações) do seu público e transformá-las em soluções para a sua clínica ou consultório. Por exemplo, se você recebe muitas mensagens perguntando sobre um serviço X, que você não oferece, considere estudar melhor a possibilidade de implementá-lo.

A Proativa Consultoria Contábil e Empresarial está sempre buscando soluções para que o seu negócio seja ainda mais bem-sucedido. Continue acompanhando nosso blog e, caso surja alguma dúvida, entre em contato com o nosso time!

COMO MONTAR UMA CLÍNICA ODONTOLÓGICA: O CAPITAL DE GIRO

Em nosso 13º post da série: COMO MONTAR UMA CLÍNICA ODONTOLÓGICA, vamos falar sobre a importância do capital de giro para a saúde financeira de uma clínica odontológica.

O que é Capital de Giro?

O capital de giro é o montante de recursos financeiros que a clínica odontológica precisa manter para garantir fluidez dos ciclos de caixa. O capital de giro funciona com uma quantia imobilizada no caixa (inclusive banco) da clínica para suportar as oscilações de caixa. O capital de giro é regulado pelos prazos praticados pela clínica, são eles:

  • prazos médios recebidos de fornecedores (PMF);
  • prazos médios de estocagem (PME) e
  • prazos médios concedidos a clientes (PMCC).

Quanto maior o prazo concedido aos pacientes e quanto maior o prazo de estocagem, maior será sua necessidade de capital de giro.

Portanto, manter estoques mínimos regulados e saber o limite de prazo a conceder ao paciente pode melhorar muito a necessidade de imobilização de dinheiro em caixa. Se o prazo médio recebido dos fornecedores de matéria-prima, mão-de-obra, aluguel, impostos e outros forem maiores que os prazos médios de estocagem somada ao prazo médio concedido ao paciente para pagamento dos serviços, a necessidade de capital de giro será positiva, ou seja, é necessária a manutenção de dinheiro disponível para suportar as oscilações de caixa.

Neste caso um aumento de vendas implica também em um aumento de encaixe em capital de giro. Para tanto, o lucro apurado da clínica deve ser ao menos parcialmente reservado para complementar esta necessidade do caixa. Se ocorrer o contrário, ou seja, os prazos recebidos dos fornecedores forem menores que os prazos médios de estocagem e os prazos concedidos aos pacientes para pagamento, a necessidade de capital de giro é negativa. Neste caso, deve-se atentar para quanto do dinheiro disponível em caixa é necessário para honrar compromissos de pagamentos futuros (fornecedores, impostos). Portanto, retiradas e imobilizações excessivas poderão fazer com que a clínica odontológica venha a ter problemas com seus pagamentos futuros.

Um fluxo de caixa, com previsão de saldos futuros de caixa deve ser implantado na clínica para a gestão competente da necessidade de capital de giro. Só assim as variações nas vendas e nos prazos praticados no mercado poderão ser geridas com precisão.

Existem dois tipos de montantes necessários para a estruturação de um negócio, o primeiro deles compreende o investimento fixo, que foi mencionado no tópico anterior e que é destinado à aquisição de equipamentos e estrutura física. O segundo deles compreende o capital de giro.

O Capital de Giro permite sustentar as atividades financeiras da clínica odontológica por determinado tempo até que o negócio se estabeleça, ou seja, até que o empreendedor dentista consiga pacientes, atenda-os e receba o montante necessário para quitar este investimento. Esses recursos ficam nos estoques, nas contas a receber, no caixa, no banco, etc. É o conjunto de valores necessários para a empresa fazer seus negócios acontecerem.

Para manter o controle de seu capital de giro, o dentista empreendedor deve estar atento às entradas e saídas de seu caixa. Essa reserva é destinada sempre que o negócio necessitar quitar seus compromissos em dia. Dessa forma, o capital de giro indica a parte do patrimônio que sofre constante movimentação nas empresas, tais como as disponibilidades e os valores realizáveis, diferenciando-se entre estes os créditos, os estoques e os investimentos. A redução do ciclo de caixa requer a adoção de medidas de natureza operacional, envolvendo o encurtamento dos prazos de estocagem, produção, operação e vendas.

Para manter o controle do capital de giro da clínica, o empreendedor dentista deve atentar-se aos seguintes itens:

  • Manter organizado o controle de pagamentos a receber;
  • Desenvolver técnicas de negociações para obter maior prazo para pagamento de fornecedores;
  • Evitar ao máximo a utilização de financiamento como capital de giro em função dos juros;
  • Estruturar reservas para capital de giro baseado no investimento total;
  • Em caso de contração de empréstimos, priorizar instituições que ofereçam melhores condições, como prazos estendidos e taxas mais baixas.

As dificuldades relativas ao capital de giro numa clínica odontológica são devidas, principalmente, à ocorrência dos seguintes fatores:

    • Redução de vendas de serviços
    • Crescimento da inadimplência
    • Aumento das despesas financeiras
    • Aumento de custos
    • Desperdícios de natureza operacional

A necessidade de capital de giro para uma clínica odontológica dependerá dos gastos do empreendimento. Neste tipo de empreendimento, os gastos são relativamente variáveis, acarretando um maior controle por parte do empreendedor, que deve se preocupar com a movimentação cambial de moeda estrangeira no caso de aquisição de matéria prima importada ou a necessidade de aquisição de maquinário com tecnologia de ponta.

A recomendação ou estimativa do capital de giro para esse tipo de negócio, com base na rotatividade da prestação de serviços odontológicos e na cadeia de fornecedores, é em torno de 15% do montante de investimentos fixos realizados instalação do consultório, de modo a garantir o equilíbrio de contas.

Conclusão

O capital de giro permite uma flexibilidade de ações em sua clínica odontológica e lhe garante paz de espírito.

Um fluxo de caixa saudável é tão importante para o sucesso de uma clínica odontológica quanto oferecer um excelente atendimento ao paciente. O planejamento é fundamental para todos os elementos da gestão da clínica e não pode ser ignorado, pois é o principal ingrediente para manter a estabilidade financeira da mesma.

O planejamento permite aos gestores o gerenciamento efetivo de seu fluxo de caixa e permite a tomada das decisões mais inteligentes sobre quando e como utilizar o capital de giro e até mesmo quando é necessário se pedir empréstimos junto às instituições financeiras e/ou investidores. O planejamento também inclui descobrir maneiras de reduzir as despesas do negócio. Poupar dinheiro lhe dará mais dinheiro para trabalhar.

Pense nisso e muito boa sorte!

COMO MONTAR UMA CLÍNICA ODONTOLÓGICA: ESTRATÉGIAS EFICIENTES DE MARKETING ODONTOLÓGICO

Marketing é a chave para o sucesso de qualquer negócio, e as clínicas odontológicas não são exceção. Para uma clínica odontológica crescer, um único dentista deve atender de  24 a 50 novos pacientes todos os meses.

Para atrair novos pacientes, uma clínica deve oferecer produtos competitivos a preços igualmente competitivos, juntamente com serviços convenientes de muita qualidade, todos apoiados por um sólido plano de marketing odontológico. 

No nosso 11º post de nossa série: COMO MONTAR UMA CLÍNICA ODONTOLÓGICA, vamos falar exatamente sobre  6 estratégias de marketing odontológico muito eficientes para que sua clínica seja um sucesso.

Aqui estão algumas estratégias de marketing odontológico que você pode testar:

  1. Presença online (VOCÊ DEVE TER)

Eu sei que é óbvio, mas, por favor, qualquer estratégia de marketing odontológico por mais básica que seja, inclui ter uma presença on-line. Vamos detalhar algumas peças chave que não podem faltar em uma estratégia de marketing odontológico bem estruturada.

  • Peça Chave 1: Website –  Não vamos detalhar muito , mas você sabe que você precisa de um site para sua clínica odontológica. Mesmo que você não concorde, lembre-se – É melhor ter algo ao invés de nada.

As pessoas vão procurar por clínicas odontológicas no Google, e você quer que elas te encontrem. Um site bem desenvolvido, além de fazer você ser visto, passará um conceito de experiência e idoneidade. E isso é tudo o que você precisa… Credibilidade!  

Certifique-se de que teu site tenha pelo menos o básico: Endereço, informações de contato, os tipos de serviços que você presta, e informações sobre você ou sobre a sua clinica. O ideal é que tudo isso seja pensado numa linguagem e identidade visual que alcance ao seu perfil de público alvo ideal.

Peça Chave 2: Search engine optimization (SEO)  – Muitas vezes você já deve ter se perguntado: O que é SEO? SEO é considerado por muitos o “Santo Graal” do marketing digital. SEO não é um conceito muito difícil de entender, a parte mais difícil de SEO é o comprometimento com as atividades que você precisa executar a longo prazo.

Aprender o básico vale o tempo investido. Fazer algumas coisas básicas vai fazer você se destacar da multidão. Uma compreensão básica de SEO irá ajudá-lo a utilizar todos os seus esforços on-line e off-line para tornar o seu site mais relevante para os motores busca, como o Google, por exemplo.

Se você estiver realmente interessado em aprender sobre SEO, leia este post: O que é SEO? Da Agência Mestre.

Peça chave 3: Perfis em Mídias Sociais –  Uma estratégia de marketing odontológico eficiente, que quer criar consciência em seu público alvo sobre a sua existência e autoridade sobre os serviços de sua clínica, não pode deixar de lado as mídias sociais, pode?

A cada dia as redes sociais provam ser das mais eficientes ferramentas de uma estratégia de marketing odontológico. Redes Sociais como Facebook, Twitter e Linkedin estão se tornando rapidamente alguns dos meios mais influentes para se criar consciência entre os pacientes em potencial. Dentistas e pacientes agora são capazes de se comunicar 24 horas por dia através dessas mídias de massa.

Se você decidir incluir as mídias sociais em sua estratégia de marketing odontológico, indicamos que comece com o Facebook. Esta é a mídia social onde com certeza seus consumidores estão, e se eles “gostarem” dos seus serviços, pode ter certeza, há uma grande chance de que eles compartilhem sua satisfação com seus amigos e com os amigos dos amigos. Logo, em bem pouco tempo, você será visto por milhares de pacientes em potencial. Isso é excelente, não é mesmo?

  1. Envolvimento Comunitário – Conheça Pessoas / Rede de relacionamento

Uma estratégia de marketing odontológico eficaz e que é comumente usada por muitos dentistas é simplesmente manter-se e manter a sua clínica popular em sua comunidade. Participe ativamente de várias atividades sociais em sua comunidade. Seja sempre simpático e útil aos seus vizinhos para que você possa ganhar a sua confiança e respeito. Desta forma, você sempre estará no topo de sua lista sempre que eles precisam de um dentista.

Veja bem, a indústria de cuidados e higiene bucal é um negócio que depende do fator: confiança. A maioria das pessoas só irá confiar a sua saúde bucal a alguém que sintam que conhecem pessoalmente ou a alguém que tenha uma boa reputação em sua comunidade.

  • Patrocine uma pequena equipe de esportes local
  • Patrocine algum evento social da comunidade
  • Realize trabalhos voluntários em sua comunidade, como um “day clinic odontológico”, totalmente gratuito, onde você e sua equipe realizarão análises e pequenos procedimentos visando a melhora da saúde dos participantes.
  1. Clientes Referência – Use seus pacientes para obter novos pacientes

Tenho certeza que você já sabe o poder das referências, do chamado marketing boca a boca. Esta é uma estratégia de marketing odontológico que não pode ser deixada de fora desta lista. Algumas pequenas clínicas até conseguem algum crescimento sem este tipo de estratégia, porém, as mesmas não conseguem mensurar o potencial de crescimento do empreendimento.

A criação de um programa baseado em incentivos, torna o rastreamento de clientes e referenciadores 10x mais fácil. 

Usando um serviço como  http://referralrock.com  você pode facilmente configurar um programa e controlar  todos os resultados . 

  1. E-mail marketing – Lembre-os que você existe

Conseguir uma lista de e-mails de seus potenciais pacientes vale ouro. Endereços de e-mail são uma linha direta de comunicação para empresas que desejam prosperar os seus negócios. Você pode começar a criar esta lista deixando claro aos seus pacientes que sua intenção é ajudá-los com dicas de higiene e saúde bucal, e também para envio de lembretes de consultas e agendamentos.

Não pratique SPAM. Somente envie aos seus pacientes informações realmente relevantes, pois é importante que você mantenha uma imagem de confiança.

O objetivo é lembrá-los que você está sempre ali, à disposição deles. Fale sempre sobre coisas relevantes (e guie-os de volta ao seu site), Isto aumenta a frequência e consequentemente a relevância do seu site junto aos motores de busca.

Fale sobre:

  • Seu envolvimento em ações comunitárias;
  • Dicas de higiene e tratamentos bucal;
  • Histórias sobre como uma boa saúde bucal mudou a vida de seus pacientes ( com sua permissão, e respeitando os princípios do Marketing para Médicos).

O e-mail marketing é realmente uma das melhores estratégias de marketing odontológico para sua clínica.

  1. Junte-se à sua comunidade on-line

Onde quer que você se localize, existem fóruns locais que você pode participar e grupos em mídias sociais para discussões sobre saúde bucal. Faça uma pesquisa sobre “cidade + fórum” e estas pesquisas o guiarão para um fórum onde você poderá interagir com as pessoas de sua comunidade e construir um relacionamento com os mesmos. Isso ajudará a construir e/ou melhorar a sua presença online.

Existem também grupos no Facebook, grupos no Linkedin e comunidades do Google Plus das quais você pode participar.

Seja útil e contribua com assuntos interessantes e relevantes em cada grupo que participar. Além disso, promova-se consensualmente, colocando o seu site em sua assinatura. É ótimo para o SEO de seu site.

  1. Marketing de conteúdo

Quando falamos em marketing de conteúdo queremos dizer: Crie um blog em seu site e publique muitos conteúdos relevantes para o seu público no mesmo. Se você é um empreendedor, e está lendo um conteúdo que lhe interessa, isto significa que você está conectado em nosso blog, correto?

Você pode fazer a mesma coisa e atrair visitantes para o seu próprio blog.

Para uma estratégia de marketing odontológico de conteúdo ser eficiente, você precisa ser muito consistente com a mesma. Deve ter disciplina em suas publicações, preparar conteúdos realmente relevantes para o seu público e mostrar que realmente você é uma autoridade em saúde bucal.

Conclusão

Essas 6 estratégias de marketing odontológico, quando implementadas de modo consistente e por profissionais especializados em marketing, podem realmente trazer um resultado sensacional para suas metas de crescimento.

Procure por uma agência especializada em marketing odontológico e tenha retornos extraordinários para os seus investimentos.

Muito boa sorte e até a próxima!

Não perca o próximo post: COMO MONTAR UMA CLÍNICA ODONTOLÓGICA: QUAIS OS INVESTIMENTOS NECESSÁRIOS?

COMO MONTAR UMA CLÍNICA ODONTOLÓGICA: ESTRATÉGIAS DE MARKETING E CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS

Crescer um negócio não é nada fácil, principalmente quando você não tem tempo para pensar em ações de marketing e distribuição dos seus serviços.  A maioria dos dentistas é treinada para prestar serviços odontológicos e quase nunca têm tempo de encontrar novas maneiras de como eles podem comercializar estes serviços.

É por isso que ler sobre ideias de marketing odontológico e formas de distribuir (vender) seus serviços ou sua clínica pode ajudá-lo imensamente a divulgar seu negócio. No final, tudo se resume a quão bem você conseguirá gerenciar suas estratégias de marketing odontológico usando tanto de meios tradicionais, bem como de marketing digital.

Neste 10º artigo da nossa série: COMO MONTAR UMA CLÍNICA ODONTOLÓGICA, vamos falar sobre os canais estratégicos de marketing e distribuição dos serviços odontológicos.

Estratégia de Marketing Odontológico  e canais de distribuição

Como um dentista empreendedor você deve pensar não somente em ser o melhor profissional no tipo de prestação de serviços que oferece aos seus pacientes. Deve pensar também em como você irá divulgar estes serviços, em como atrair pacientes para sua clínica odontológica e atingir suas metas de vendas para que seu empreendimento seja lucrativo e você alcance os seus objetivos como profissional.

Sendo assim, criar estratégias de marketing odontológico e canais de distribuição dos serviços odontológicos é o que poderá garantir o sucesso e o crescimento de sua clínica.

Canais de Distribuição

Os serviços odontológicos se limitam a poucos canais de distribuição e vendas. Isso se dá pela necessidade da presença do dentista para realização e conclusão dos procedimentos e tratamentos oferecidos. Logo, os canais de distribuição se restringem a adesão a convênios com planos de saúde, contratos ou parcerias com médias e grandes empresas, pacotes promocionais a clientes individuais e a estratégias de marketing de atração de pacientes para que frequentem a clínica a fim de realizarem tratamentos. Qualquer outro mecanismo que amplie os canais de distribuição deve ser iniciado a partir de uma revisão do modelo de negócios atual e investimentos em adequações.

Porém, várias estratégias de marketing odontológico podem ser utilizadas pelo dentista empreendedor, tais como:

  1. Definição do perfil do cliente – Quem você deseja segmentar?

Uma coisa que você precisa incluir em sua estratégia de marketing odontológico é uma descrição do tipo de pacientes que você deseja atingir. Você está direcionando seus esforços para ser um consultório odontológico que vence a concorrência através de preços, isto é, oferecendo descontos e cobrando mais barato seus tratamentos a fim de ter uma lucratividade através de um apelo de marketing maciço? Se assim for, então você provavelmente seu público alvo será de famílias de classes tipo C,D, e E,  e também de pessoas com mais idade, provavelmente aposentados, que dependem exclusivamente de uma renda fixa mais baixa para sobreviver.

Você quer que a maior fatia do seu lucro venha através de cirurgias estéticas?  Tem a intenção de se tornar um dentista diferenciado, principalmente para os pacientes de classe média alta? Então você tem que direcionar suas ações de marketing para profissionais como médicos, advogados, executivos de grandes empresas, famosos, etc.

Uma vez que você define o perfil de público que deseja atrair para sua clínica odontológica, então você terá dado o primeiro passo para divulgar o seu negócio de forma eficiente. As estratégias de marketing odontológico agora irão definir como e para quem você irá se mostrar em seu mercado.

  1. Defina suas metas – Quantos novos pacientes por mês?

Depois de ter decidido sobre para quem irá direcionar seus serviços, você precisa definir suas metas e objetivos, para que assim, você possa medir seus esforços de marketing. Para isso, ao invés de dizer “eu quero muitos pacientes, quanto mais, melhor”, defina de forma clara e objetiva uma meta realista para si mesmo em quantidade de novos pacientes por mês.

Defina metas viáveis, metas que sejam alcançáveis. Porém, metas que lhe tragam satisfação ao alcançá-las.  Não defina metas muito fáceis, pois não lhe trarão motivação alguma. Também não defina metas “surreais”, inalcançáveis, pois as mesmas só irão drenar sua energia e matar seu espírito empreendedor.

  1. Teste suas ideias no mercado – que está trabalhando?

Agora que você sabe para quem você deseja vender e quais são suas metas de pacientes por mês, você precisará definir alguns parâmetros importantes para medir se sua estratégia de marketing  é eficiente ou não.

Se você assiste a série  Shark Tank , no Canal Sony, você provavelmente está muito familiarizado com esses conceitos.

Conceito 1: Lifetime Value (LTV) – Quanto vale cada paciente ao longo do tempo? Ter uma compreensão do valor de vida de cada um de seus pacientes irá lhe dar uma ideia de quanto você pode investir em marketing odontológico para adquirir um novo paciente. Lembre-se, isso não precisa ser feito em uma base individual, isso deve ser calculado como uma média.

Se você acabar com uma ampla gama de opções, você pode querer optar por  segmentar grupos de clientes e criar estratégias para perfis de clientes separados.

Conceito 2: Custo de Aquisição do Cliente (CAC)  – Quanto custa você adquirir um cliente? É importante diferenciar seus custos operacionais (por exemplo, administrativos, higienistas, protéticos, recepcionistas…), pois estamos apenas medindo o custo do que é preciso para atraí-los. Nós não seremos capazes de calcular isso ainda, mas você precisa manter este conceito em mente para a hora de implementar cada estratégia de marketing.

Cada estratégia de marketing deve ser testada e acompanhada no tangente à sua eficácia para que você saiba onde “apostar” suas fichas (investir recursos / tempo / esforço). Sem calcular custos operacionais / serviços por cliente e assim por diante, uma regra geral seria: 3 x CAC < LTV

Conceito 3: Rastreando o sucesso –  Se você está aplicando estratégias de marketing digital, você pode acompanhar a eficácia usando softwares de análise da web como o  google analytics  para monitorar os resultados do seu site. Para obter detalhar o seu acompanhamento você pode usar as páginas de destino e direcionar o seu tráfego para essas páginas com base na estratégia de marketing / campanha.  Estratégias de Marketing off-line são muito mais difíceis de rastrear, mas podem ser feitas também, através de códigos de promoção.

É muito importante que você, como dentista empreendedor, entenda os conceitos de Marketing Odontológico e quais são os melhores canais de distribuição para os seus serviços.

Sendo assim, no nosso  11º post sobre: COMO MONTAR UMA CLÍNICA ODONTOLÓGICA, falaremos sobre: Estratégias eficientes de Marketing Odontológico.

Não perca!

Até a próxima!

Referência de pesquisa: SEBRAE

Como montar uma clínica odontológica: Exigências Legais e Específicas

Estamos em nosso terceiro texto da série como montar uma clínica odontológica. De acordo com o SEBRAE, veremos quais são as Exigências Legais e Específicas para abertura de seu consultório.

Vamos lá?

Após ter escolhido o imóvel mais adequado às suas necessidades e firmado o contrato de locação comercial com o locador, o dentista empreendedor deverá constituir a sua empresa. O processo de abertura de uma clínica odontológica pode ser um pouco complexo, pois exige análise e registro por parte de vários órgãos públicos, além do Conselho Regional de Odontologia – CRO da sua região. Por isso, o auxílio de um contador, especializado em contabilidade para clínicas odontológicas é importantíssimo nas orientações sobre as obrigações comerciais, tributárias, fiscais, trabalhistas, previdenciárias, dentre outras.

Etapas do Registro

1ª Etapa:

a) Registro da clínica nos seguintes órgãos:

  • Junta Comercial.
  • Secretaria da Receita Federal (CNPJ).
  • Secretaria Estadual da Fazenda.
  • Prefeitura do Município para obter o alvará de funcionamento.
  • Enquadramento da Entidade Sindical Patronal (empresa ficará obrigada a recolher anualmente a Contribuição Sindical Patronal;
  • Cadastramento junto à Caixa Econômica Federal no sistema    Conectividade Social – INSS/FGTS”.
  • Corpo de Bombeiros Militar.

b) Visita a prefeitura da cidade onde pretende montar a clínica odontológica para fazer a consulta de local.

c) Obtenção do alvará de licença sanitária: adequar às instalações de acordo com o Código Sanitário do Estado (especificações legais sobre as condições físicas).

Em âmbito federal a fiscalização cabe a ANVISAAgência Nacional de Vigilância Sanitária; já em âmbito estadual e municipal fica a cargo das secretarias estaduais e municipais de saúde.

Requisitos para o alvará sanitário:

  • Requerimento preenchido e apresentado junto ao croqui (mapa) de localização;
  • Cópia do contrato social e última alteração – no caso de pessoa física, apenas o documento pessoal;
  • taxa de alvará sanitário será paga após o protocolar do pedido;
  • Consulta de viabilidade de instalação ou habite-se de construção comercial ou certidão de zoneamento: para substituir a consulta de viabilidade de instalação, será aceito o alvará sanitário, mesmo vencido, de outra pessoa jurídica ou física, que esteve estabelecida no mesmo endereço e com a mesma atividade. Nesse caso, solicita-se um processo de baixa do alvará sanitário da empresa anterior e um processo para a nova empresa, anexando uma cópia do alvará sanitário antigo aos outros documentos;
  • Apresentar relação com o nome completo de todos os trabalhadores e/ou colaboradores do estabelecimento, com os respectivos números de RG, assinada pelo representante legal;
  • Apresentar cópia da Carteira de Identidade Profissional;
  • Descrição de serviços desenvolvidos discriminando as respectivas atividades;
  • Informar o horário de funcionamento da clínica na abertura do processo.

Após a formalização do processo administrativo poderão ser requisitados outros documentos que a autoridade sanitária entender pertinentes.

Para a inspeção sanitária pelo fiscal serão necessários:

  • Manual de Boas Práticas;
  • Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos de Serviços de Saúde (PGRSS);
  • Cópia de Comprovante de aprovação do projeto hidro sanitário;
  • Cópia do Comprovante de aprovação do projeto arquitetônico.

d) Consulta prévia de endereço na administração ou prefeitura: verificar se a atividade pretendida é compatível com a lei de zoneamento local. O cliente fornece endereço e a atividade para análise. Essa liberação é imprescindível para a abertura da empresa (Alvará de Localização e Alvará de Licença Sanitária).

A Licença ou Alvará de Funcionamento é o documento expedido pela Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal que autoriza o funcionamento dos serviços. Esse documento deve ser solicitado antes do início das atividades ou quando houver alterações de endereço, da própria atividade, do processo produtivo ou da razão social e, ainda, quando tiver ocorrido fusão, cisão ou incorporação societária. A emissão e renovação da Licença ou Alvará de Funcionamento é um processo descentralizado, realizado pelos estados e municípios e, portanto, definido de acordo com a legislação local.

Cada Estado define o trâmite legal e documental, assim como a sua validade. Neste contexto, o responsável técnico pelo serviço odontológico deve entrar em contato com a vigilância sanitária local (estadual ou municipal) junto à qual irá requerer a Licença ou Alvará de Funcionamento. Os endereços das Vigilâncias Sanitárias nos estados podem ser acessados no site da Anvisa: http://portal.anvisa.gov.br/.

e) JC – Junta Comercial

  • Pesquisa de nome empresarial: a consulta trata de evitar a colidência quanto ao nome da empresa. Caso seja uma Firma Individual, trata-se do próprio nome da pessoa.
  • Consulta de Situação Fiscal: Essa pesquisa identifica possíveis pendências que estejam registradas no nome do empreendedor e seus sócios – CPF, além de verificar se a atividade enquadra ou não como ME (Micro Empresa) ou EPP (Empresa de Pequeno Porte).

Documentos para o Registro da Empresa

  • 01 cópia autenticada do CPF e Identidade dos Sócios e/ou Titular.
  • 01 cópia da certidão de casamento autenticada, se casado.
  • 01 cópia autenticada do comprovante de residência de todos os sócios e/ou titular (conta de água, energia ou telefone).
  • 02 cópias do documento de ocupação do imóvel – Contrato de Locação, Escritura do imovel ou documento equivalente, em nome de pelo menos um dos sócios ou do titular. (No caso de Contrato de Locação, todas as assinaturas devem ser reconhecidas em cartório) número do IPTU.
  • 01 cópia da consulta prévia de endereço; Nome e identidade de 02 testemunhas – apenas para sociedade.
  • Advogado para visar o contrato social – exceto para MEI, ME e EPP – somente Ltda.
  • Identificação do contador da empresa com etiqueta personalizada.

Importante: Sobre a ANVISA – Regras para Clínica Odontológica

  • As clínicas odontológicas são consideradas locais de risco (área crítica) e, por isso, todas as normas e princípios de biossegurança devem ser seguidos criteriosamente para a obtenção do Alvará de Licença Sanitária.
  • Investimento inicial deverá ser no sistema de esterilização padrão e princípios de biossegurança.
  • Cada clínica odontológica recebe uma visita anual de um funcionário da vigilância. A licença de funcionamento tem validade por um ano e, no momento da renovação, é feita nova vistoria, que pode ou não ser programada. O dentista que não cumprir as exigências pode receber um auto de infração e ser penalizado, de acordo com a Lei Federal n 6.437, de 20/08/1977.
  • Todo projeto arquitetônico de um serviço de odontologia público ou privado deve ser avaliado e aprovado pela Vigilância Sanitária local previamente à execução da obra.
  • As clínicas odontológicas deverão ser registradas junto à vigilância sanitária como clínica, mesmo que os consultórios tenham registros individuais.
  • Haverá a necessidade de conhecer e cumprir as exigências legais específicas do Estado ou Município onde irá oferecer seus serviços. Para isso, deverão ser buscadas informações nas Secretarias Estaduais e Municipais da Fazenda, Junta Comercial, Institutos e Secretarias Ambientais, Receitas Estadual e Municipal, Cartório de Registro de Pessoa Jurídica, Administração Regional, no INSS local, ANVISA local, Delegacia Regional do Trabalho.

São obrigatórios para toda clínica:

  • Registro profissional (CRO) do cirurgião-dentista, com pagamento da taxa anual;
  • Cadastro da VISA – Vigilância Sanitária Municipal – Taxa anual. O Alvará Sanitário de ser afixado em local visível.
  • Prefeitura Municipal – Cadastro – Taxa de Localização e Funcionamento – ISSQN – Licença Ambiental.

Geração de Resíduos

Os resíduos gerados nos serviços odontológicos causam risco à saúde pública e ocupacional equivalente aos resíduos dos demais estabelecimentos de saúde. Seus responsáveis técnicos devem implantar um plano de gerenciamento de acordo com o estabelecido na RDC/Anvisa  306, de 07 de dezembro de 2004. Os resíduos gerados nos serviços odontológicos podem ser classificados em biológicos, químicos, perfurocortantes ou escarificantes e comuns.

Legislação pertinente:

  • Lei n° 4.324, BRASIL, de 14 de abril de 1964. Institui o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Odontologia, e dá outras providências.
  • Lei n° 5.081, BRASIL , de 24 de agosto de 1966. Regula o exercício da odontologia.
  • Lei n° 6.710, BRASIL, de 5 de novembro de 1979. Dispõe sobre a profissão de Técnico em Prótese Dentária e determina outras providências.
  • Lei n° 6.437, BRASIL, de 20 de agosto de 1977. Configura infrações à legislação sanitária federal, estabelece as sanções respectivas, e dá outras providências.
  • Resolução n° 185/93, CFO. Aprova a Consolidação das Normas para Procedimentos nos Conselhos de Odontologia e revoga a Resolução CFO-155/84.
  • Resolução RDC n° 189, ANVISA, de 18 de julho de 2003. Todos os projetos de arquitetura de estabelecimentos de saúde públicos e privados devem ser avaliados e aprovados pelas vigilâncias sanitárias estaduais ou municipais previamente ao início da obra a que se referem os projetos.
  • Resolução RDC n° 306, ANVISA, de 7 de dezembro de 2004. Dispõe sobre o Regulamento Técnico para o gerenciamento de resíduos de serviços de saúde.
  • Resolução RDC n° 50, ANVISA, de 21 de fevereiro de 2002. Regulamento técnico para planejamento, programação, elaboração e avaliação de projetos físicos de estabelecimentos assistenciais de saúde.
  • Resolução RE n° 9, ANVISA, de 16 de janeiro de 2003. Orientação técnica revisada contendo padrões referenciais de qualidade de ar interior em ambientes de uso público e coletivo, climatizados artificialmente. A Resolução recomenda o índice máximo de poluentes de contaminação biológica e química, além de parâmetros físicos do ar interior. Prevê ainda métodos analíticos e recomendações para controle e correção, caso os padrões de ar forem considerados regulares ou ruins.
  • Resolução 358, CONAMA, 2005. Gerenciamento de Resíduos.
  • Resolução n° 9, ANVISA, de 2003. Tratamento de ar em Estabelecimentos Assistenciais de Saúde.
  • Portaria n° 518, Ministério da Saúde, de 25 de março de 2004. Estabelece os procedimentos e responsabilidades relativos ao controle e vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade, e dá outras providências.
  • Portaria GM/MS n° 3.523, Ministério da Saúde, de 28 de agosto de 1998. Aprova Regulamento Técnico contendo medidas básicas referentes aos procedimentos de verificação visual do estado de limpeza, remoção de sujidades por métodos físicos e manutenção do estado de integridade e eficiência de todos os componentes dos sistemas de climatização, para garantir a Qualidade do Ar de Interiores e prevenção de riscos à saúde dos ocupantes de ambientes climatizados.
  • Portaria GM/MS n° 2616, , Ministério da Saúde, de 12 de maio de 1998 – Controle de Infecção Hospitalar.
  • NR-32 (Norma Regulamentadora – Ministério do Trabalho).

Conforme ressaltamos, é muito importante que todas estas normas sejam analisadas e rigidamente seguidas, para que ao montar uma clínica odontológica, você esteja totalmente resguardado pela legislação vigente no país. Sendo assim, a contratação de uma assessoria contábil especializada em contabilidade para clínicas odontológicas é fundamental para que você se sinta seguro ao empreender com a odontologia e tenha tempo para se preocupar efetivamente com o melhor atendimento para os seus pacientes.

Não perca nosso próximo post: Como montar uma clínica odontológica: A Estrutura Física

Até a próxima!

    Referência: SEBRAE

Leia também: COMO MONTAR UMA CLÍNICA ODONTOLÓGICA: CONCEITOS INICIAIS E MERCADO

        COMO MONTAR UMA CLÍNICA ODONTOLÓGICA: A IMPORTÂNCIA DA LOCALIZAÇÃO