Transformação digital – sua clínica ou consultório precisa?

Provavelmente você já deve ter ouvido falar da transformação digital. Essa é uma das tendências mais comentadas da atualidade e se tornou um processo de expansão em diversos setores, principalmente o da saúde. 

Mas o que de fato seria esse processo? São medidas que as empresas estão tomando para utilizar a tecnologia para melhorar o desempenho, aumentar o alcance e gerar resultados mais eficientes.É importante entender que essas mudanças englobam também a chegada de novos hábitos e comportamentos. Afinal, a tecnologia precisa ser utilizada como uma ferramenta para desbloquear potenciais humanos.

Na prática, já não existe outra saída. O mundo mudou e a transformação digital é algo imprescindível. Para clínicas e consultórios, isso significa melhorar a gestão, otimizar processos, diminuir a margem de erros, melhorar o atendimento e experiência do paciente e, inclusive, gerar novas oportunidades de negócio. Não é por acaso que a cada dia presenciamos o surgimento de mais e mais startups na área da saúde.

E agora, por onde começar?

Para que sua clínica ou consultório realize a transformação digital, o primeiro passo é enxergar o negócio de uma maneira completa, assim, com essa visão macro e micro, você conseguirá identificar as necessidades da empresa e investir com maior assertividade nas ferramentas de gestão.

Esse tipo de mudança exige planejamento, investimento em soluções tecnológicas e também treinamento para a equipe.

Quais são os benefícios?

As vantagens giram em torno dos pontos apresentados anteriormente. Por exemplo, a clínica ou consultório precisa ter um software de gestão que auxilie na otimização do tempo, que armazene dados relevantes para análises futuras – como entendimento de gastos, fluxo de caixa, dias e horários com mais movimento, procedimentos mais utilizados etc -, que seja de fácil consulta, que tenha uma navegação intuitiva e que também possua um serviço de suporte de qualidade.

O prontuário eletrônico também é uma solução muito eficaz. Ele permite que os profissionais tenham acesso ao histórico do paciente. Isso faz com que essas informações facilitem até um atendimento multiprofissional, sem contar que o médico ou dentista pode utilizar alguns recursos para discutir casos e encontrar alternativas melhores para os pacientes.

Também falamos sobre novas oportunidades de negócio. Um exemplo recente disso é a telemedicina que pode ser uma nova atividade na rotina dos profissionais de saúde. Essa área de atendimento ainda está sendo discutida e precisa se consolidar, mas a cada dia percebemos que a tecnologia avança e que ela continuará modificando todas as formas de consumir, trabalhar, estudar e se cuidar.

Se você ainda não iniciou o processo de transformação digital, procure profissionais especializado para te auxiliar nesse caminho. Caso precise de ajuda para planejar a gestão financeira e contábil, conte com os serviços da Proativa. É só falar com um dos nossos consultores!

Coworking para profissionais de saúde – as vantagens da economia colaborativa

Compartilhar. Essa palavra tem agregado cada vez mais sentido e valor na rotina da sociedade moderna. E não estamos falando de compartilhamento de postagens nas mídias sociais, mas de uma economia colaborativa que gerou uma nova percepção de mundo: substituir o acúmulo pela divisão.

Essa tendência é muito bem representada por aplicativos como Airbnb, Yellow e Uber que geraram soluções que transformaram formas de consumo. Dentro dessas novas formas, não poderíamos deixar de falar do coworking, modelo de trabalho que é baseado no compartilhamento de espaço e recursos de escritório. Esse modelo tem se expandido e alcançou os profissionais de saúde, se tornando uma alternativa bem interessante para quem não tem (ou não quer gastar) uma reserva financeira investindo na própria clínica ou consultório.

Fora a questão da economia, esses espaços são vantajosos por oferecerem experiências tanto para os profissionais quanto para os pacientes. Esses diferenciais vão desde a arquitetura e design dos ambientes, que esbanjam modernidade e fogem completamente dos padrões de consultórios tradicionais, até a possibilidade de networking, pois a oportunidade de conhecer outros profissionais, trocar conhecimentos e realizar parcerias não pode ser desperdiçada.

Como médicos e dentistas podem utilizar espaços de coworking?

No Brasil já existem espaços de coworking especializados para profissionais de saúde. Eles possuem facilidades para agendamento de consultas, recepcionistas, café, cozinha, armários, bicicletários, áreas para exames e equipamentos específicos para a área. Muitos também oferecem serviços personalizados que permitem que o médico ou dentista tenha uma linha telefônica, website, cartão de visita, entre outros itens de papelaria.

Quanto custa trabalhar em um coworking?

Existem diferentes tipos de pacotes, mas um dos mais comuns é o pay-per-use, no qual os profissionais só pagam pelo tempo que utilizarem o espaço escolhido. Esse recurso evita a geração de gastos quando o profissional não estiver atendendo.

Juntando com o fato de que as despesas de espaço, equipamentos de escritório, mobiliário e funcionários acabam sendo compartilhados, atender em um coworking permite uma economia expressiva.

Quem atende em espaços de coworking precisa de um contador?

Segundo Marcelo Henrique Pereira da Silva, sócio da Proativa Consultoria Contábil e Empresarial, mesmo os profissionais que optarem por atender no modelo de economia colaborativa irão precisar dos serviços de um contador. “Na verdade, toda empresa precisa. Além das obrigações fiscais e conformidades perante o fisco, o contador irá desenvolver planejamentos tributários e de custos, proporcionando um apoio financeiro diferenciado para o negócio”.

Marcelo também aproveita para dar dicas para os profissionais que estão em início de carreira e pensam em fazer parte da tendência do coworking. “É importante prestar atenção na escolha do local. Dê preferência para lugares que não sejam tão impessoais e que, mesmo que sejam tão grandes, tenham uma boa infraestrutura, localidade e conforto para os seus pacientes. Também é necessário verificar a viabilidade da utilização do endereço fiscal para a atividade médica”.

Vai iniciar seus atendimentos em algum coworking?

Entre em contato conosco e deixe sua empresa com as obrigações fiscais em dia.

Dicas valiosas para médicos e dentistas melhorarem as redes sociais de suas clínicas ou consultórios

As redes sociais são uma verdadeira extensão do atendimento que você oferece aos seus pacientes em sua clínica ou consultório. Esse ambiente digital, além de ser uma forte ferramenta para prospecção de novos pacientes, é o local onde o seu negócio está exposto para o mundo. Essa enorme vitrine online tem inúmeras vantagens, mas, caso seja utilizada de forma incorreta, pode ser um grande fator de risco para a saúde da sua empresa.

Como ninguém quer ser malvisto no universo da internet, a Proativa separou algumas dicas valiosas para você, médico ou dentista, aproveitar as redes sociais para consolidar a imagem do seu negócio e até aumentar seu faturamento. Continue a leitura e prepare-se para colocar tudo em prática!

Antes de tudo, conheça seu público

Tão importante quanto ser especialista na sua área é conhecer o seu público. Isso irá determinar o tipo de conteúdo e a linguagem que o seu negócio deve ter nas redes sociais. Informações como faixa etária, interesses, localização e gênero fazem toda a diferença. Por exemplo, se você tem um consultório de odontopediatria, seu público não é de crianças, mas muito provavelmente de mães. Você pode buscar entender o comportamento dessas mães e direcionar um conteúdo realmente relevante para elas.

Cuidado com o conteúdo

Um ponto de atenção que profissionais de saúde precisam levar em consideração é que, se o seu discurso é direcionado para clientes/pacientes, você precisa se comunicar para eles. O que isso quer dizer?

Muitos médicos ou dentistas postam imagens de cirurgias ou qualquer outro procedimento e ainda enchem as legendas com termos técnicos e difíceis para o público geral compreender.

É necessário ter bom senso. Escolha imagens que transmitam o resultado do seu trabalho e não o “problema” que você solucionou. Você pode tomar como exemplo as campanhas publicitárias de grandes hospitais: elas nunca vão mostrar um paciente debilitado, em tratamento ou sendo operado, mas sempre feliz e sorridente, transmitindo a sensação de que foi bem cuidado. O discurso segue a mesma linha e precisa cumprir sua missão de ser entendido.

Fique dentro da lei

Tanto o Conselho Federal de Medicina, quanto o de Odontologia possuem seus códigos de ética e precisam ser respeitados. Posts como “antes e depois”, consulta e diagnóstico online, promessas de resultados e exposição vexatória de pacientes não são permitidos. Caso você fique na dúvida se o que você vai postar está de acordo com o código de ética da sua classe, não hesite em pesquisar e confirmar antes.

Não deixe seu público “a ver navios”

Busque solucionar qualquer eventual problema e sempre demonstre preocupação com a solicitação do seu cliente. Lembre-se, todas essas pessoas são formadoras de opinião na internet, mesmo que em pequena escala.

Também é importante prestar atenção na frequência de postagens. Monte um cronograma e programe-se para cumpri-lo.

Considere investir

Mesmo as redes sociais fazendo parte do nosso dia a dia, manter um perfil ou página profissionais exige alguns investimentos, seja de tempo e/ou dinheiro.

Caso você não tenha uma agenda que permita que você dê uma atenção especial a essa área do seu negócio, procure capacitar algum funcionário ou busque a ajuda de profissionais especializados.

Analise seus resultados

Mais do que números de curtidas, comentários ou compartilhamentos, você pode utilizar as redes sociais para escutar as necessidades (ou reclamações) do seu público e transformá-las em soluções para a sua clínica ou consultório. Por exemplo, se você recebe muitas mensagens perguntando sobre um serviço X, que você não oferece, considere estudar melhor a possibilidade de implementá-lo.

A Proativa Consultoria Contábil e Empresarial está sempre buscando soluções para que o seu negócio seja ainda mais bem-sucedido. Continue acompanhando nosso blog e, caso surja alguma dúvida, entre em contato com o nosso time!

13 coisas que você precisa saber sobre marketing para médicos

O marketing é essencial nos dias atuais, sendo uma importante ferramenta para divulgação de qualquer empresa ou profissional. Na área da saúde, o marketing para médicos também se torna necessário, principalmente quando o profissional está em início de carreira ou sua clínica está em início de atividades e deseja construir sua própria reputação numa determinada região.

Contudo, o marketing para médicos deve ser praticado de uma forma diferente do marketing para outros tipos de profissionais, empresas e segmentos, devendo obedecer às restrições estabelecidas pelo CRM – Conselho Regional de Medicina.

O CRM possui um Manual de Publicidade Médica que deve ser seguido por todos os profissionais médicos, independente de suas especialidades, atendendo às condições éticas da profissão e os limites estabelecidos para respeitar os clientes.

O manual foi desenvolvido pelo CFM – Conselho Federal de Medicina, sendo depois distribuído para todos os CRM de todos os Estados, criando regras para coibir eventuais abusos e devendo ser respeitado em todo o território nacional.

Como deve ser o marketing para médicos

A  foi quem debateu os critérios do manual, procurando eliminar interpretações suCodame – Comissão de Divulgação de Assuntos Médicosbjetivas, apresentando uma linguagem bastante clara e direta.

O manual não proíbe a publicidade de serviços profissionais, permitindo a qualquer médico ou clínica fazer a divulgação, mas estabelece restrições bastante delimitadas. Veja a seguir os 13 pontos principais que limitam o marketing para médicos:

      1-Proibido o uso de fotos de pacientes no marketing para médicos

A utilização de fotos de pacientes, mesmo com a autorização dos mesmos, é totalmente proibida para demonstração de resultados de tratamentos em qualquer meio de divulgação, evitando-se até mesmo os populares selfies. No caso de eventos ou de apresentação de trabalhos científicos, desde que haja autorização prévia do paciente, as fotos são permitidas.

     2-Marketing para médicos nas redes sociais

Sabemos que as redes sociais são excelentes canais de comunicação de massa para se compartilhar conhecimentos e divulgar serviços e trabalhos, e o médico pode fazer uso das redes como estratégia de marketing, podendo, inclusive, divulgar telefone e endereço do empreendimento. O cuidado exigido é com relação ao conteúdo das postagens, que não podem ser sensacionalistas ou darem a entender que os resultados dos tratamentos são garantidos. As redes sociais podem ser usadas como um canal de comunicação com os pacientes, onde eles podem tirar dúvidas e conhecer novos tratamentos, ou até mesmo fazer agendamentos online.

      3-Divulgar o uso de tecnologia avançada nos tratamentos é uma ótima estratégia de marketing para médicos

O médico ou a clínica médica podem anunciar o uso de tecnologia de última geração para auxílio dos mais diversos tratamentos em sua estratégia de marketing. A única restrição é com relação à divulgação de garantia de sucesso do tratamento.

      4-Divulgar Especialidades na estratégia de marketing para médicos

O profissional médico tem permissão para fazer propaganda de títulos de especialidades e do registro no CRM. No entanto, o anúncio só pode mencionar, no máximo, duas especialidades, embora possa divulgar todas as sociedades médicas às quais é filiado.

     5-Titulação acadêmica no marketing para médicos

O manual não faz qualquer restrição com relação a títulos acadêmicos em cartões, material promocional ou itens de papelaria, desde que os títulos estejam relacionados à área de atuação do profissional, lembrando apenas que os títulos acadêmicos anunciados devem ser obrigatoriamente registrados no CRM. Além disso, o profissional médico não pode divulgar especialidades ou áreas de atuação que não sejam reconhecidas pelo CFM ou pela Comissão Mista de Especialidades.

      6-O marketing no catálogo de clínica

Havendo um catálogo da clínica, as informações devem se limitar àquelas sobre as especialidades de cada profissional que ali trabalha, trazendo o nome e o CRM do responsável técnico pela instituição.

      7-Material Gráfico para divulgação da clínica médica

De acordo com o manual, todo e qualquer material impresso de uma clínica deve trazer o nome do médico, a sua especialidade, o CRM do mesmo e o Registro de Qualificação de Especialista (RQE). Se o consultório for uma pessoa jurídica, o material deve apresentar o nome e o CRM do responsável técnico.

       8-Expressões vetadas no marketing para médicos

O médico não poderá usar em nenhuma peça promocional de divulgação de suas especialidades expressões como “o melhor”, “o mais eficiente”, “o único capacitado”, “resultados garantidos” ou coisas do gênero. São termos considerados sensacionalistas e que podem caracterizar propaganda enganosa. Além disso, é proibido oferecer qualquer garantia de resultados nos tratamentos, seja a pacientes ou familiares, entendendo que cada organismo reage de uma forma e que nenhum médico pode garantir sucesso.

       9-A participação em anúncios alheios é proibida pelo CFM

O CFM proíbe de forma categórica a participação de médicos em qualquer tipo de anúncios de produtos ou de marcas comerciais, de métodos ou técnicas não aceitos pela comunidade científica ou de divulgação de técnicas exclusivas, aplicando essa proibição também a entidades sindicais e associações médicas.

       10-Entrevistas podem ser o diferencial em uma estratégia de marketing para médicos

O médico especialista ou generalista pode participar de programas de tv, de rádio ou conceder entrevistas para qualquer órgão de imprensa, desde que seja com a função de esclarecimentos à sociedade. O médico não pode se autopromover, fornecer endereço ou telefone com a intenção de captar pacientes, além de não poder receber valores ou obter lucros para dar entrevistas. No caso de qualquer matéria divulgada com alguma incorreção, o médico deve encaminhar um ofício ao órgão de imprensa e ao CRM para retificar. A intenção desta estratégia de marketing é transformar o profissional médico em uma autoridade em sua especialidade.

       11-Prêmios NÃO devem e nem podem ser evidenciados no planejamento de marketing para médicos

Premiaçoes como “Destaque do Ano”, “Melhor Médico” e similares em relação ao profissional médico ou à sua clínica estão totalmente proibidos pelo CFM, já que são considerados como publicidade, com o objetivo promocional ou de propaganda, seja individual ou coletivo. As homenagens aos médicos estão restritas àquelas prestadas por instituições acadêmicas, sociedades médicas ou órgãos públicos.

         12-O médico não pode divulgar preços nas propagandas de sua clínica médica

Em nenhum material de marketing da clínica médica é permitido divulgar preços de procedimentos ou formas de pagamento ou de parcelamento, não sendo também permitido conceder descontos como diferencial ou como promoção de serviços.

         13-Sites e blogs são ferramentas essenciais de marketing para  médicos

Segundo o manual, um site institucional e/ou um blog podem ser considerados ferramentas de disseminação de conhecimento científico. O site pode conter informações institucionais da clínica, tipos de tratamentos oferecidos, currículo da equipe de médicos e informações para contato. Já a iniciativa de criar um blog é encorajada, já que pode passar informações relevantes e verídicas sobre a medicina. Portanto, um profissional médico ou sua clínica médica pode ter um blog corporativo ou até mesmo um blog pessoal em sua estratégia de marketing, desde que publique conteúdos interessantes, não devendo ser usado para prestar qualquer tipo de consultoria aos pacientes. O cunho das matérias deve ser exclusivamente educativo, de modo a orientar ao público em geral sobre os benefícios da medicina.

Conclusão

O médico empreendedor pode e deve utilizar das estratégias de marketing para médicos para divulgação dos serviços prestados dentro das estratégias permitidas, atraindo maior número de pacientes para a sua clínica ou para evidenciar suas especialidades.

Para isso, basta procurar por profissionais ou agências especializadas em marketing para médicos, que conheçam as restrições impostas pelo CFM, de modo a estabelecer os canais de divulgação, as mídias, os tipos de materiais impressos, dentre outros recursos que podem ser utilizados a fim de manter a sua reputação e/ou de seu empreendimento em sempre em alta.

Se ainda restarem dúvidas sobre como deve ser praticado o marketing para médicos, registre seus comentários logo abaixo. É muito importante para nós interagirmos com você!

Se você gostou da matéria COMPARTILHE em suas redes sociais. Deixe-nos também, suas sugestões sobre matérias que gostaria de ler em nosso blog.

Até breve!

10 coisas que você não aprendeu na faculdade sobre Marketing para Clínicas Médicas!

Nos últimos anos vem crescendo o número de clínicas médicas no Brasil e isso ocorre pelo fato de o brasileiro ter um espírito empreendedor, buscando cada profissional trabalhar por conta própria.

Para tornar-se um profissional independente, contudo, é preciso aplicar algumas técnicas de marketing para clínicas médicas, atraindo maior número de clientes e podendo desenvolver e ampliar sua empresa,

O marketing para clínica médica pode ser feito de diversas formas, lembrando sempre que, a exemplo de algumas profissões, como, por exemplo, a de advogados, deve seguir alguns critérios particulares.

Grande parte dos profissionais médicos que abrem consultórios e clínicas médicas encontram situações complicadas, onde o atendimento dos clientes não cobrem os custos da empresa. E uma das maiores dificuldades está exatamente na atração de pacientes para seu empreendimento.

Por isso, algumas perguntas permeiam a mente dos médicos empreendedores, tais como:

  • Como atrair pacientes para a minha clínica médica?
  • Posso utilizar o marketing para clínicas médicas para divulgar e destacar a clínica em meio a tantas outras no mercado?

Neste artigo vamos falar sobre essa prática, especificamente, mostrando como os profissionais de medicina podem utilizar estratégias de marketing para clínicas médicas e conseguir atrair mais clientes/pacientes para seus serviços:

        1- O marketing para clínicas médicas exige profissionais qualificados

O primeiro ponto a entender é que para cada área existe um tipo de profissional qualificado. Os médicos conhecem sua área e podem prestar atendimento aos que o procuram, resolvendo problemas relacionados à saúde. Para a criação de estratégias de marketing para clínicas médicas realmente eficientes é necessário a participação de profissionais especializados em marketing. Portanto, para que a divulgação de sua clínica médica seja precisa e efetiva é necessário buscar ajuda de profissionais dessa área.

         2- O marketing para clínicas médicas deve seguir o código de ética

Para uma estratégia efetiva de marketing para clínicas médicas, é necessário que os profissionais conheçam o código de ética dos profissionais médicos, que estabelecem determinadas regras para a divulgação dos serviços prestados. O código de ética, por exemplo, determina que o médico não pode fazer propaganda sensacionalista, ou seja, não pode confundir ou constranger o paciente. Conhecendo o código de ética médico é possível se fazer um marketing adequado e eficiente para sua clínica médica evitando qualquer punição por parte do CFM – Conselho Federal de Medicina.

        3- Marketing para clínicas médicas na internet

A presença na internet é essencial nos tempos atuais para qualquer empresa e uma clínica médica não foge disso. A internet é extremamente importante para a clínica ser encontrada por pacientes em busca da solução de algum problema. A clínica médica pode montar um site que permita ao paciente entrar em contado com facilidade, com algumas funcionalidades para o paciente, como um chat ou um agendamento de consultas.

        4- Marketing de conteúdo para os pacientes

A maior inovação da internet em termos de marketing é a produção de conteúdo relevante. Os usuários gostam de conhecer e de saber sobre tudo e sobre todos os assuntos. Oferecer conteúdo relacionado à atividade da clínica médica e que resolvam a “dor” de seus pacientes é uma das melhores estratégias marketing para clínicas médicas.

        5- Consultoria médica como ação de marketing

Muitas vezes apenas postar bons conteúdos pode não solucionar os problemas que possíveis clientes possam ter. A disponibilização de um meio de comunicação onde o paciente possa se expressar, possa colocar suas dúvidas, é um meio de atraí-lo para a clínica médica. Criar um fórum no site é um meio de fazer marketing para clínicas médicas que traz excelentes resultados. Por isso, crie meios de interação com seus pacientes, responda suas dúvidas e crie um relacionamento com seu público alvo.

        6- Contato direto com os pacientes

O contato com os clientes através da internet pode mostrar a eles que o profissional que o atendeu está preocupado com sua saúde. Criar um canal de contato através de e-mail – já que saúde é um assunto confidencial – irá criar mais confiança no paciente e maior fidelização para a clínica médica. Um simples e-mail nos dias seguintes à consulta e ao início do tratamento pode criar essa fidelização.

        7- Marketing para clínicas médicas nas redes sociais

O site é apenas uma parte da presença digital da clínica médica. Além do site, pode-se criar uma fanpage nas redes sociais, possibilitando maior proximidade entre a clínica médica e os pacientes. A fanpage em redes sociais pode ter postagens de dicas de saúde relacionadas à especialidade da clínica, o que vai fazer com que os seguidores comecem a manter sua clínica na memória. Atenção, no entanto: é preciso ter uma fanpage e não um perfil, já que a fanpage permite funcionalidades diferenciadas, permitindo maior contato com os clientes.

        8- O marketing para clínicas médicas exige uma marca forte

A marca é importante para a clínica médica, principalmente para mostrar confiança e para ser lembrada por todos. Para um médico, os serviços e o atendimento devem ter prioridade, já que é isso que vai mexer diretamente com a confiança e com a percepção dos pacientes. Uma clínica médica deve evitar nomes estranhos, cores carregadas ou logotipos que não estejam associados à especialidade. É importante também investir em impressos, como receituário, envelopes, pastas, com um logotipo que reforce a marca da clínica médica.

        9- O melhor marketing para clínicas médicas: bom atendimento

Excelência no atendimento, com atenção diferenciada para os pacientes, contato após a consulta, lembretes através no whatsapp ou sms antes de uma consulta, tudo são detalhes que tornam a clínica médica diferenciada no seu meio. São estratégias que fortalecem a imagem da clínica e transmite maior confiança aos clientes. O atendimento inadequado é a primeira forma de espantar clientes e, quando a clínica ganha reputação, consegue manter a fidelidade dos clientes.

       10- Marketing para clínicas médicas com o relacionamento

Mesmo em meio a tanta tecnologia oferecida pela internet e pelos meios de comunicação, ainda temos uma das técnicas mais eficazes de marketing para clínicas médicas: o bom relacionamento com os clientes e a propaganda boca a boca. Quando se segue as dicas acima, se mantém um excelente atendimento, cria-se condições para o bom relacionamento e, quando se tem um bom relacionamento, tem-se pessoas que elogiam a clínica médica. A equipe de atendimento deve ser bem treinada, para dar toda a atenção necessária aos clientes, principalmente porque, quando procuram a clínica, estão mais sensíveis e precisam de cuidados especiais.

Conclusão

Mesmo dentro da rigidez da ética médica com relação ao marketing para clínicas médicas, é possível aplicar boas estratégias para divulgação. Se você está precisando aumentar o número de pacientes, procure por profissionais de marketing especializados e exponha seus problemas e anseios. Certamente você encontrará a melhor solução.

Nós podemos te ajudar com este e outros assuntos, referente a gestão, finanças e contabilidade para clínicas médicas. Venha tomar um café conosco, será um prazer receber você!

Até breve!

Conheça as formas de registrar sua clínica médica e legalizar o seu negócio

Empreender é algo que exige inovação, excelência e legalidade! Não dá para atuar na informalidade, ainda mais quando se trata de clínicas médicas.

Muitos médicos e empreendedores, quando desejam abrir uma clínica médica, logo possuem muitas dúvidas. Comum a todo profissional que deseja atuar nesse nicho, principalmente porque se trata de um ramo que envolve a saúde.

Portanto, existem algumas regras básicas para todo aquele que deseja formalizar uma clínica médica.

Portanto, é necessário…

  • Providenciar o alvará da vigilância sanitária (CMVS)
  • Precisará de um alvará de funcionamento emitido pela prefeitura.
  • Precisará de um Cadastro Nacional de Estabelecimento de Saúde – CNES.
  • Precisará da LIMPURB – documento sobre Coleta Lixo para clínica ou consultório médico.

E como legalizar o consultório médico?

CNES

A CNES – Cadastro Nacional de Estabelecimento de Saúde é um documento necessário onde os médicos se credenciam aos convênios, sob as leis e regras da ANS.

É inclusive exigido para reembolso, exemplo: No caso de sua clínica emitir recibo para reembolso, só haverá o retorno do dinheiro, caso o convênio possua o recibo com o número do CNES do seu consultório médico.

E como tirar o alvará de vigilância?

Esse alvará é exigido a qualquer profissional que atue na área da saúde e que possua um estabelecimento para atendimento.

Se sua clínica ou consultório médico não tiver esse documento, sofrerá uma multa e para que se consiga retirar seu número do CNES também será necessário ter o alvará da vigilância sanitária.

Se a fiscalização for até a sua clínica e você não tiver com ambos os documentos em posse ou o protocolo, terá de pagar uma multa. Tanto pessoa física com o CRM do médico, quanto pessoa jurídica podem retirar esses documentos.

No segundo caso, para se tornar pessoa jurídica e atender o padrão de regime tributário institucional, será necessário ter CNPJ criado e o contrato social da empresa, como medida de legalização da clínica.

Alvará de funcionamento para clínica médica – por que é preciso?

Qualquer clínica que tenha se estabelecido, precisa ter um alvará de funcionamento. Essa é outra exigência e também precisa para renovação do CREMESP – servindo para credenciamento de convênios, extensões, empréstimos e bancos.

Caso sua clínica de saúde não tenha consigo o alvará de funcionamento, seu estabelecimento também será multado. Daí a importância de se manter atualizado com cada documentação.

A fiscalização nesse sentido têm sido muito rigorosa e atuante em todas as regiões, de maneira a verificar se todas as exigências estão sendo cumpridas pelos consultórios médicos de acordo com os padrões de funcionamento.

Para ter o alvará de funcionamento é preciso:

  • Pessoa Jurídica: Carteira de classe ou CRM, CNPJ, CT Social e capa do IPTU.
  • Pessoa Física: Carteira da classe ou CRM e capa do IPTU.

E as demais obrigatoriedades para legalizar o negócio clínico?

Além de todas essas documentações, há também a necessidade do LIMPURB – que se trata da Coleta de resíduos de Saúde. Para emissão desse documento é necessário:

  • Pessoa Jurídica: CNPJ, IPTU e CRM.
  • Pessoa Física: CCM, IPTU e CRM.

As clínicas que não possuírem o LIMPURB serão multadas da mesma maneira que nas demais descrições acima. Não são poucos os fiscais que constantemente exigem e analisam essas documentações em consultórios e clínicas médicas, portanto, faz-se necessário estar com tudo emitido e atualizado.

Não esqueça também quanto a autorização do corpo de bombeiros e quanto a escolha do melhor regime tributário da sua clínica, isso um contador tem expertise para ajudá-lo!

E então, como está a legalização de sua clínica médica? Precisa de ajuda?

Até a próxima!

O Papel da Gestão Financeira na área da Saúde

Gerir as finanças de qualquer negócio relacionados a saúde hoje em dia é como dirigir um carro com janelas embaçadas, isto é, é muito difícil enxergar para onde se está indo, por isso, os riscos são enormes.

Como em qualquer indústria, a gestão financeira na área da saúde envolve manipulação das operações financeiras de rotina, tais como a negociação de contratos, gerir bem o fluxo de caixa, controlar todas as entradas e saídas, manter um capital de giro para as despesas, tais como, folha de pagamento e materiais de escritório, e principalmente, manter reservas líquidas para custos inesperados.

Num nível executivo da empresa, gestão financeira significa fornecer aos outros membros da equipe de liderança informações precisas para fazer planos estratégicos e se preparar para o futuro. Por exemplo, os empreendimentos da área da saúde, como os grandes consultórios médicos e hospitais, podem decidir oferecer testes ou tratamentos expandidos através da compra de novos equipamentos médicos para a instituição ou empresa. Os dados gerados pela gestão financeira ajudam nas tomadas de decisão sobre qual será a melhor maneira de pagar por isso sem causar danos à saúde financeira do negócio.

Reuniões estratégicas para melhorar as finanças

Estratégias de negócios e gestão financeira estão intimamente interligados. Alguns hospitais utilizam como estratégia, por exemplo, comprar as clínicas médicas das redondezas ou vizinhas do hospital. Os médicos que vendem suas clínicas tornam-se funcionários do hospital e o hospital se torna uma rede hospitalar regional. Dessa forma, o hospital constrói um fluxo financeiro mais consistente e contínuo, isto é: Ele recebe o dinheiro de todo o espectro relacionado aos tratamentos médicos, tais como, exames para a cirurgia e serviços de reabilitação, serviços que seriam prestados por essas clínicas.

Adquirir essas clínicas traz novas receitas de imediato, de modo que o fluxo de receita ajuda a pagar a compra das mesmas, e o sistema ou rede hospitalar regional, que é muito maior do que o hospital sozinho, tem maior poder de negociação com as empresas de planos de saúde.

Gerir os custos do tratamento é fundamental para a sobrevivência

Para uma empresa de planos de saúde, o custo-benefício da medicina é crucial para a sobrevivência financeira do negócio.

Um exemplo prático: As seguradoras criam listas de medicamentos que estão dispostas a pagar por tratamento e diretrizes para seus médicos contratantes. As seguradoras, em seguida, se utilizam de meios de controles tecnológicos, como softwares para controlar a “utilização” dos médicos individualmente – e suas escolhas de testes e tratamentos – para certificar-se que os mesmos estão seguindo as orientações sobre o uso das medicações indicadas.

A relação custo-benefício da medicina, é tão importante para a estratégia de negócios de uma empresa de planos de saúde, que o desenvolvimento de diretrizes se eleva ao nível da gestão financeira. É uma tarefa que exige um significativo know-how na área médica de seus gestores.

A seguradora quer trabalhar com tratamentos para evitar custos mais elevados a longo prazo. Porém, os médicos precisam ter certeza de que os tratamentos são, do ponto de vista médico, eficientes para a saúde dos pacientes. Caso contrário, colocam em risco a vida dos pacientes e ficam vulneráveis à sofrerem processos por erros médicos.

Prevenção para evitar despesas de longo prazo

Uma organização hospitalar, responsável pela manutenção da saúde através de seus grandes centros de tratamentos que podem ter os mesmos pacientes por muitos anos, compartilham os mesmos objetivos dos órgãos que gerem a saúde pública: a prevenção de doenças caras, mantendo os pacientes saudáveis.

Por exemplo, as empresas de plano de saúde querem ter o melhor custo-benefício em seus tratamentos, por isso investem em testes de triagem para doenças cardíacas e câncer, que quando diagnosticadas, exigem controle e tratamento contínuos, onerando assim o fluxo de despesas dessas organizações. Logo, para se prevenir contra estes custos, a investigação médica é indispensável.

Em vários países do mundo, as maiores administradoras de planos de saúde financiam parte das pesquisas médicas mais relevantes, e qualquer entidade de saúde que tenha um grupo de pesquisa afiliado – e muitos o fazem – acrescentam o seu financiamento às tarefas da gestão financeira. O financiamento de pesquisa traz um custo-benefício bem mais atraente do que longos tratamentos com medicações caras.

Mudanças trazem novos desafios

A gestão financeira é uma arte e uma ciência em qualquer indústria, mas quando nos referimos à indústria responsável por cuidar da saúde, estamos falando de desafios particularmente difíceis, pois é uma indústria muito dinâmica e que muda de forma célere e contínua. Mas, mudanças são inevitáveis. Por isso, clínicas médicas, hospitais e empresas de plano de saúde terão a cada dia que manter uma gestão financeira excepcionalmente qualificada, para garantir a sustentabilidade e a saúde financeira de seus negócios.

Contar com uma assessoria contábil especializada em contabilidade para clínicas médicas, contabilidade hospitalar, contabilidade para médicos ou contabilidade para profissionais da área da saúde é essencial para se manter uma gestão financeira hospitalar precisa e eficiente.

Conte sempre com um contador!

Até a próxima!